Termina nesta quarta-feira (28.04) o período de consulta pública para apresentação de estudos e modelagens técnica e econômico-financeira que subsidiaram a escolha pela implantação do Ônibus de Trânsito Rápido (BRT), movido à eletricidade, em Cuiabá e Várzea Grande. Acesse aqui a consulta pública.

A consulta pública está aberta desde o dia 16 de abril, oportunidade em que os interessados puderam analisar e avaliar todos os estudos e documentos que levaram à conclusão de maior viabilidade do BRT como solução de mobilidade urbana na região metropolitana da Capital.

Neste último dia, os interessados ainda podem formular questionamentos com eventuais dúvidas a respeito dos estudos apresentados, bem como dar suas contribuições através do e-mail consultapublica@sinfra.mt.gov.br.  Todos os e-mails recebidos são devidamente respondidos e as respostas publicadas no espaço da consulta pública.

Os estudos foram elaborados pelo Governo de Mato Grosso e pelo Grupo de Trabalho criado em conjunto com a Secretaria Nacional de Mobilidade Urbana e a Caixa Econômica Federal.  Os documentos podem ser acessados e também estão disponíveis para download. Eles vão subsidiar a audiência pública a ser realizada pelo Governo de Mato Grosso, a fim de dar maior transparência e clareza em relação à escolha pelo BRT.

Audiência Pública 

A audiência pública será realizada de maneira virtual no dia 07 de maio, às 10 horas, por meio do canal do YouTube do Governo de Mato Grosso, em razão das medidas de distanciamento impostas pela pandemia do coronavírus.

O link de acesso para os participantes do evento que desejarem fazer o uso da palavra será disponibilizado durante a transmissão ao vivo e o espaço estará completamente aberto ao debate. Podem participar todos os interessados em discutir os estudos e documentos disponibilizados durante a consulta pública.

Vantagens do BRT

De acordo com os estudos apresentados, a solução por BRT apresenta o menor custo e menor tempo de implantação quando comparado a outros modais. Os investimentos estimados são da ordem de R$ 460 milhões, com a aquisição da frota de ônibus elétrico. As obras devem durar até 24 meses.

Para a implantação do BRT, o Governo do Estado se responsabilizará pela realização das seguintes obras de infraestrutura: corredor segregado, paradas, estações e terminais, tratamento das calçadas, Parque Linear da Av. Rubens de Mendonça, Centro de Controle Operacional, Garagem Operacional do BRT com subestação de recarga elétrica dos ônibus, sistema de monitoramento e segurança da frota e usuários, sistema de comunicação com os usuários e também pela aquisição dos ônibus movidos à eletricidade.

Os estudos apontam ainda que o BRT terá uma tarifa mais acessível quando comparado ao sistema VLT. Ou seja, mensalmente o VLT demandaria um custo adicional que poderia vir a ser custeado pelos usuários por meio da tarifa ou por meio do aumento dos subsídios públicos.

Além disso, ainda segundo os estudos, o BRT proporcionará maior flexibilidade de operação junto aos ônibus do sistema alimentador dos municípios, permitindo reduzir o número de integrações para os usuários quando comparado à modelagem da rede com o sistema VLT, dada a possibilidade de uso compartilhado no corredor segregado.

Outro destaque favorável à solução por ônibus, conforme identificado nos estudos, está na possibilidade de extensão dos corredores estruturais de transporte coletivo para bairros populosos e mais distantes da área central a um custo menor do que a solução ferroviária com o VLT.

Via | Assessoria
(Visited 1 times, 1 visits today)

Deixe uma resposta