Ministro e outras oito pessoas são acusadas de negociata para abertura de vaga no Tribunal de contas do Estado em 2012

O Tribunal de Justiça de Mato Grosso -TJMT negou o pedido feito pelo atual ministro da Agricultura Blairo Maggi -PP, de afastamento do juiz Luis Aparecido Bortolussi Junior, da Vara Especializada em Ação Civil Pública e Ação Popular. O caso envolve a suposta compra de vaga no Tribunal de Contas do Estado -TCE, caso me que Maggi é investigado.

Maggi é acusado de participar de negociações com o então conselheiro do TCE, Alencar Soares. O acordo, segundo a denúncia, era o de que Soares se aposentasse do cargo, abrindo vaga para o sucessor vitalício Sérgio Ricardo. A negociata, com dinheiro público, teria ocorrido em 2012.

Além do ministro, outras oito pessoas são investigadas no processo. Sobre o pedido de afastamento do juiz, ele alega que o magistrado havia declarado inimizade contra si. A defesa de Maggi não se pronunciou sobre a negação do pedido.

Bloqueio de bens 

Em janeiro, a Justiça determinou o bloqueio de R$ 4 milhões em bens de Maggi e dos outros réus no processo. No entendimento da Justiça, este foi o motivo pelo qual o ministro pediu o afastamento. Para a relatora do pedido de afastamento do juiz, desembargadora Maria Erotides Kneip Baranjak, Maggi poderia ter  se manifestado antes.

 
Fonte | Gazeta MT

(Visited 1 times, 1 visits today)