Corte de gastos e interesses contrários podem fazer escudeira deixar esporte

Ferrari é a única escudeira que está na F1 desde 1950

A Ferrari pode deixar a Fórmula 1 depois de 2020 se os novos proprietários da modalidade esportiva a levarem em uma direção contrária aos interesses da montadora de veículos italiana, alertou o chairman Sergio Marchionne, na quinta-feira (2).

Em uma teleconferência com analistas, Marchionne disse que, embora apóie o corte de gastos, há outras questões estratégicas em discussão que podem obrigar a Ferrari a cogitar correr em outras modalidades. “Ela (a F-1) é parte de nosso DNA desde o dia em que nascemos”, afirmou. “Mas se mudarmos a caixa de areia a ponto de a caixa de areia se tornar irreconhecível, não quero brincar mais.”

Indagado como se sentiria por ser o diretor-executivo que tirou a Ferrari da Fórmula 1, Marchionne respondeu. “Muitíssimo bem, porque estarei trabalhando em uma estratégia alternativa para tentar substituí-la. Uma mais racional, também.”

A Ferrari é a única escuderia que está na F-1 desde a primeira temporada de 1950, e também é a mais bem-sucedida e glamorosa, ainda que não vença um campeonato desde 2008. A equipe acumulou um recorde de 228 provas vencidas, 16 campeonatos de construtores e 15 títulos de pilotos.

A Fórmula 1 tem novos donos desde janeiro — o grupo Liberty Media, sediado nos Estados Unidos, assumiu os direitos comerciais e dispensou o diretor Bernie Ecclestone. A Liberty quer mais competitividade e um reequilíbrio das receitas assim que o acordo atual com as equipes vencer no final de 2020.
Fonte | R7
 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *