Segundo José Todescan Júnior, membro da Sociedade Brasileira de Odontologia Estética, essa condição pode desgastar o esmalte dos dentes e aumentar a sensibilidade

O refluxo gastroesofágico é uma condição que afeta milhões de pessoas em todo o mundo. Caracteriza-se pelo retorno do ácido do estômago para o esôfago, podendo, em alguns casos, alcançar a boca. Apesar de seus efeitos nocivos no sistema digestivo, muitas vezes, os danos causados pelo refluxo vão além, afetando diretamente a saúde bucal e a integridade dos dentes.

O ácido gástrico é uma substância altamente corrosiva, essencial para a digestão dos alimentos no estômago. No entanto, quando ocorre um refluxo, essa acidez pode chegar até os dentes, que são compostos principalmente de minerais e a exposição ao ácido pode resultar em erosão, desgastando o esmalte dentário.

De acordo com o Dr. José Todescan Júnior, especialista em Prótese Dental, odontopediatria e endodontia, além de membro da Sociedade Brasileira de Odontologia Estética, a erosão ácida provocada pelo refluxo gastroesofágico pode causar uma série de problemas dentários. “Desgaste do esmalte, aumento da sensibilidade e, até mesmo, mudanças estéticas podem acontecer, tornando os dentes mais opacos, amarelados e propensos a manchas”, alerta.

O especialista acredita que é de extrema importância que pessoas diagnosticadas com refluxo gastroesofágico adotem medidas para proteger sua saúde bucal. “Além do acompanhamento médico para o controle da condição, cuidados específicos com a saúde dos dentes são fundamentais, como a escovação adequada e visitas regulares ao dentista”, revela.

Todescan alerta, no entanto, que é preciso evitar a escovação logo após o refluxo. “A ação de escovar os dentes imediatamente após um episódio de refluxo pode aumentar o desgaste do esmalte, já que ele estará enfraquecido pelo ácido. O ideal é fazer um bochecho com água e esperar aproximadamente 30 minutos antes de escovar os dentes”, pontua.

É importante ressaltar que, a depender do estágio da erosão ácida, o dentista pode recomendar tratamentos específicos, como aplicação de flúor, selantes dentais, restaurações ou, em casos mais avançados, procedimentos como a reabilitação para recuperar as superfícies perdidas.

Para o odontologista, pessoas diagnosticadas com essa condição devem buscar tratamento médico para controlar o refluxo e acompanhamento odontológico regular para preservar a saúde e a integridade dos dentes. “Adotar medidas preventivas e seguir as recomendações do dentista são passos essenciais para minimizar os danos causados pelo ácido estomacal, garantindo um sorriso saudável e duradouro”, finaliza.

Sobre José Todescan Júnior

Atuando com excelência na área de Odontologia há mais de 33 anos, José Todescan Júnior é especialista em Prótese Dental, Odontopediatria e Endodontia pela USP. Membro da Sociedade Brasileira de Odontologia Estética, membro da IFED (International Federation Esthetic Dentistry), membro da Associação Brasileira de Odontologia Estética e membro da ABOD (Associação Brasileira de Odontologia Digital). Ele acredita que o profissional que se aperfeiçoa em diversas áreas pode escolher sempre o melhor para os pacientes.

Sobre a Clínica Todescan

Fundada pelo Dr. José Hildebrando Todescan, referência na área de odontologia no Brasil, há mais de 70 anos a Clínica Todescan atende pacientes com toda dedicação e excelência. O trabalho abrange praticamente todas as áreas da Odontologia, seja estética, curativa ou preventiva, sendo oferecidos tratamentos de alto nível científico, técnico e ético. Para mais informações, acesse o site ou pelas redes sociais.

Via | Assessoria Foto | Divulgação

Print Friendly, PDF & Email
(Visited 1 times, 1 visits today)