Novas ondas de temperaturas muito altas irão afetar diversos estados brasileiros até 2024

Com recordes de calor no país inteiro, o último trimestre do ano acendeu alerta no Inmet, indicando o El Ninõ e aquecimento global como causadores do fenômeno meteorológico de intensidade acima do normal. Segundo o estudo da Climate Central, a onda está apenas começando a aumentar as temperaturas e, com base nos padrões históricos, o pico do efeito do será sentido em 2024, indicando um verão intenso pela frente.

Com o calor, chegam as dúvidas: como se alimentar corretamente durante a temporada, amenizar o desconforto causado pela alta temperatura e ter melhores cuidados com o excesso de sol. Entre as buscas que mais cresceram no Google estão “ventilador com gelo caseiro” (+2.800%) e “ar condicionado caseiro com gelo” (+2.200%). Pensando nisso, a Dra. Karina Santos, médica do Time de Saúde da Sami, healthtech que tem um modelo focado em atenção primária à saúde, com time de saúde e cuidado coordenado, separou algumas boas práticas para a saúde não sofrer durante o período.

Alimentação: vá de escolhas leves

Durante as altas temperaturas, o corpo perde mais água por suar muito mais. Além disso, diferente do inverno, onde temos mais apetite, o calor inibe a fome, fazendo com que nossa nutrição fique desequilibrada. As mudanças fisiológicas do verão também precisam ser ajustadas a uma alimentação mais leve para compensar a perda de água e nutrientes e a pouca vontade de se alimentar. Sem contar que nosso corpo diminui a produção de energia, se comparado às temperaturas frias, com isso, nossa alimentação também precisa ser menos calórica. O efeito inibidor da fome causado pelo calor acaba provocando um jejum prolongado que não é nada saudável para o organismo. Optar por uma alimentação saudável e leve é investir no seu bem-estar.

“Dê preferência por saladas durante as refeições e frutas para os lanches. Além disso, os sucos repõem os minerais perdidos pelo suor e hidratam o corpo. Substitua o acompanhamento por carnes brancas ou carnes mais magras, bem como varie entre grelhados, cozidos e assados. Comece cortando a fritura, que pode acabar pesando no calor, e aproveite para trazer alimentos mais saudáveis à mesa. Andar com garrafinhas de água também é fundamental”, explica a médica. “É bem provável que você já tenha percebido que o calor nos deixa com a sensação de cansaço. Isso acontece devido à digestão, que se torna mais lenta. Por isso, evitar comidas pesadas e gordurosas precisa ser uma prioridade para você durante o verão.”

Cuidado com a congestão alimentar 

A congestão alimentar trata-se de um mal-estar ocasionado por um grande esforço físico depois de uma refeição consideravelmente pesada, como, por exemplo, almoço ou jantar. Isso acontece porque durante o esforço físico o organismo precisa alterar a direção do fluxo sanguíneo — antes, focado na digestão dos alimentos —, fazendo com que o corpo entre em estado de congestão. Isto é, o sangue, que está concentrado no intestino e no estômago, invade os músculos para conseguir fazer digestão.

“Por isso, principalmente durante a infância, muitas pessoas chamam a atenção para o fato de não poder entrar na piscina logo após a refeição. Mas o que muitos indivíduos não sabem é que a causa da congestão alimentar não vem somente do esforço físico na água. Essa condição pode surgir depois de qualquer tipo de esforço físico, seja: ir para a academia; correr;  pegar muito peso; nadar, seja no mar ou na piscina. Resumindo: o que causa uma congestão é o hábito de realizar uma refeição pesada e, em seguida, fazer esforço físico com intensidade”, afirma Karina.

Alerta vermelho contra a insolação 

Mais comum nos meses mais quentes, a insolação acontece quando há exposição excessiva ao sol ou ao calor. A temperatura corporal passa a aumentar de maneira muito rápida e o corpo não consegue transpirar o suficiente para resfriar o corpo. Assim, começam os primeiros sinais de mal-estar da insolação. Podendo levar ao coma e até à morte, a insolação precisa ser evitada ao máximo, com o uso de protetor solar adequado, evitar o sol entre 12h e 16h, prefira lugares arejados e com sombra, não usar roupas pesadas e escuras e reaplicando o protetor solar sempre que necessário.

Afinal, a exposição excessiva ao sol pode gerar queimaduras graves e aumentar o risco de câncer de pele e desidratação. De acordo com o Ministério da Saúde, a insolação acontece quando a temperatura corporal passa de 40 °C e o indivíduo perde minerais, sais e muita água de maneira muito rápida. A médica da Sami explica que a forma de tratamento da insolação dependerá do estado do paciente. Em estados críticos, com desmaios, coma e extremidades arroxeadas, será necessário um atendimento mais intensivo e hospitalar. 

“Quadros leves geralmente apresentam apenas alguns sintomas mais fracos, podendo ser tratados com medidas simples. Algumas das medidas essenciais são: mover a pessoa para um local fresco e com sombra; remover peças de roupa ao máximo; caso esteja consciente, mantê-lo com a cabeça elevada e em repouso; oferecer água gelada ou fria, ou qualquer bebida que não contenha álcool; borrifar água no acidentado; aplicar compressas de água fria nos mesmos locais onde são aplicados em caso de febre: axilas, testa e pescoço; se possível, dar banho gelado em pacientes ou colá-lo com o corpo todo dentro da água, uma banheira ou piscina podem ajudar. Caso não consiga, encharque roupas com água gelada e o cubra”, finaliza Karina.

Sobre a Sami

Fundada em 2018, a Sami nasceu para democratizar o acesso à saúde de qualidade e vem revolucionando o setor. Por meio de um modelo que alia tecnologia à saúde coordenada via time de saúde, cria uma conexão sólida entre pacientes, médicos, hospitais e laboratórios. Com planos empresariais voltados para MEI’s e empresas de qualquer porte, a healthtech possui uma rede credenciada de referência, com hospitais como Beneficência Portuguesa e Oswaldo Cruz, e parceiros como Gympass e Cíngulo, para garantir a saúde física e mental dos membros. Tendo entre seus investidores os fundos DN Capital (UK), Redpoint eventures, Canary, Valor Capital Group, Mundi ventures e monashees, em 2020 recebeu o maior investimento Série A em saúde da história da América Latina. Com extensão desse round e, agora em 2023, com mais R$ 90 milhões em Série B, superou R$290 milhões captados.

Via | Assessoria Foto | Freepik

Print Friendly, PDF & Email
(Visited 1 times, 2 visits today)