Um frentista de um posto de combustível em Primavera do Leste, deve receber indenização de R$ 6 mil por danos morais, após ter a licença-paternidade negada pela empresa. A decisão foi assinada no dia 3 deste mês pelo juiz do Trabalho Mauro Roberto Vaz Curvo.

Conforme o processo, o trabalhador foi contratado pelo posto em março de 2019. Tempo depois, quando a filha dele nasceu, ele comunicou ao gerente, mas teve o pedido de cinco dias de licença negado.

O gerente justificou ao funcionário, à época, que os proprietários da empresa não estavam presentes na cidade e que, por isso, não poderia conceder o afastamento.

Após se desligar da empresa, em 2021, ele ajuizou ação na Justiça do Trabalho requerendo indenização por danos morais.

No processo, a empresa diz que a culpa por não tirar o período de licença foi exclusiva da vítima, pois ele poderia apenas ter deixado de comparecer ao trabalho após o nascimento da filha.

O argumento não foi aceito pelo juiz, que afirma na decisão que o dever é da empresa de liberar o trabalhador de forma expressa.

“Não tem como defender que incumbia tão somente ao trabalhador faltar ao trabalho sem avisar e posteriormente comprovar o motivo, na medida em que o empregado é parte hipossuficiente, sendo certo que nessas situações existe temor reverencial de perder o emprego”, diz.

O magistrado explica ainda que a licença- paternidade é um direito e dever do pai, servindo para que o trabalhador exerça de fato a paternidade, “realizando todas as tarefas relativas ao bebê, como trocar fralda, dar banho e pôr para dormir”.

Por se tratar de decisão de primeiro grau, cabe recurso.

Via | G1   Fonte | Getty Images

(Visited 1 times, 1 visits today)

Deixe uma resposta