Pletismógrafo foi obtido por meio de um projeto de pesquisa cujo objetivo é colher dados e avaliar pessoas que passaram por internação por conta do coronavírus.

O Hospital das Clínicas da Universidade Federal de Minas Gerais e vinculado à Rede Ebserh/MEC (HC-UFMG/Ebserh/MEC) é o primeiro hospital público de Belo Horizonte a possuir um pletismógrafo, aparelho com tecnologia de ponta para avaliar de forma mais abrangente a função pulmonar do paciente. O exame, chamado pletismografia, é considerado padrão-ouro para pesquisa de disfunções pulmonares e tem sido muito utilizado em pacientes pós-Covid.

O equipamento foi adquirido no final do mês de maio por meio de um projeto de pesquisa e doado ao hospital pelos pesquisadores. Com o título “Covid-19 e acometimento pulmonar: aspectos funcionais, tomográficos e perfil sorológico no acompanhamento de pacientes após doença aguda pela infecção pelo Sars-Cov2”, o projeto de pesquisa do HC-UFMG/Ebserh/MEC tem a colaboração da Escola de Medicina da Universidade Federal de Ouro Preto. O objetivo do estudo é colher dados e avaliar pacientes que tiveram diagnóstico de infecção pelo coronavírus e passaram por uma internação, o que é realizado de forma mais eficiente pelo novo aparelho.

Em um ano, já foram incluídos 473 pacientes. Ao longo desse tempo, porém, foi preciso ir além da avaliação dessas pessoas apenas no contexto da pesquisa. “Nós observamos que esses pacientes tinham sintomas persistentes, debilidade prolongada e precisavam de atendimento assistencial para além da avaliação no contexto da pesquisa. Então, ampliamos um projeto de extensão que já existia no HC-UFMG e agregamos nesse ambulatório pacientes do hospital que tiveram Covid-19 e demandaram acompanhamento”, explicou a coordenadora do estudo e chefe do Serviço de Clínica do hospital, Carolina Coimbra.

Diversos aspectos dos pacientes são avaliados. Quando são identificados sintomas persistentes, muitos são encaminhados para as respectivas especialidades. “Com o pletismógrafo, conseguimos fazer uma avaliação pulmonar mais completa dos distúrbios ventilatórios, por medida direta de fluxos e volumes”, afirmou a pneumologista do HC, Valéria Augusto.

O estudo tem a colaboração dos professores e médicos do HC-UFMG: Valéria Augusto (Pneumologista), Eliane Mancuzo (Pneumologista) e Arnaldo Leite (Clínica Médica). Também participaram do projeto de pesquisa os médicos epidemiologistas e professores da Universidade Federal de Ouro Preto George Machado e Aline Batista. Quatro pós-graduandos e vários bolsistas de iniciação científica fazem parte do estudo, que está permitindo a realização de duas dissertações de mestrado e duas teses de doutorado.

Sobre a Ebserh

O HC-UFMG faz parte da Rede Ebserh desde dezembro de 2013. Estatal vinculada ao Ministério da Educação (MEC), a Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares (Ebserh) foi criada em 2011 e, atualmente, administra 40 hospitais universitários federais, apoiando e impulsionando suas atividades por meio de uma gestão de excelência.

Vinculadas a universidades federais, essas unidades hospitalares possuem características específicas: atendem pacientes do Sistema Único de Saúde (SUS), e, principalmente, apoiam a formação de profissionais de saúde e o desenvolvimento de pesquisas. Devido a essa natureza educacional, os hospitais universitários são campos de formação de profissionais de saúde. Com isso, a Rede Ebserh/MEC atua de forma complementar ao SUS, não sendo responsável pela totalidade dos atendimentos de saúde do país.

Via | Assessoria de Comunicação Social do MEC com informações da Ebserh

(Visited 1 times, 1 visits today)

Deixe uma resposta