Secretaria de Estado de Saúde (Ses) investiga um caso suspeito de sarampo em um bebê de 9 meses, morador de Tangará da Serra (239 km a médio-norte de Cuiabá). De acordo com o setor de Vigilância Edipemiológica, a notificação ocorreu na última sexta-feira (15) e medidas necessárias são realizadas conforme protocolo do Ministério da Saúde. Resultados dos exames são aguardados para a confirmação da suspeita.

Doença infecciosa aguda, viral, transmissível e extremamente contagiosa, o sarampo voltou a circular no Brasil desde o ano passado. Em Mato Grosso houve dois registros do caso após 19 anos de erradicação. A pasta, no entanto enfatiza que além deste caso em Tangará, não houve qualquer outra notificação relativa ao sarampo até o momento.

A coordenadora da Vigilância Epidemiológica de Tangará da Serra, Juliana Herrero, afirmou que o material da criança foi recolhido para os exames e ações como a visita da equipe de saúde na residência do paciente para investigação do caso suspeito e possibilidade de outros casos suspeitos, além da coleta de material biológico também foram coletados para realização do exame laboratorial para a conclusão do diagnóstico, segundo informações do site Diário da Serra.

“Agora temos que fazer um alerta para a nossa população, pois teremos que fazer vacina de bloqueio, principalmente na região da Vila Horizonte (onde reside a criança). Pessoas que não tenham comprovação vacinal contra o Sarampo ou pessoas que não tenham a vacina, que tem o cartão, mas nunca foram imunizados, vão precisar procurar a Unidade de Saúde da Família mais próxima para fazer essa vacina”, alerta, conforme o veículo de comunicação.

A vacina contra o Sarampo (tríplice viral, tetra viral, dupla viral, MMR), está disponível diariamente em todas as unidades de Saúde de Tangará da Serra. O período de incubação do vítima é de até 21 dias.”A gente não descarta a possibilidade de [a criança] ter adquirido a doença em Cuiabá e ter vindo para cá”, completa, ao explicar que a família do bebê esteve na capital do Estado em fevereiro e somente depois de retornar a Tangará que os primeiros sintomas foram manifestados.

A doença apresentem sintomas como febre, dor de garganta, manchas pelo corpo e coriza. Pode ser transmitida de pessoa a pessoa, por tosse, espirros, fala ou respiração, além de secreções através do ar em locais fechados. A SES orienta que a população deve buscar a atualização do cartão vacinal.

Fonte | Gazeta Digital

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *