Fábio Garcia afirma que situação não pode se arrastar; democrata ainda compreende situação de Janaína Riva

O presidente regional do DEM, deputado federal Fábio Garcia orientou o MDB a liberar o prefeito de Cuiabá, Emanuel Pinheiro, para apoiar a candidatura do senador Welington Fagundes (PR) ao Governo. O gestor solicitou autorização dos emedebistas para não seguir os caminhos do partido nas eleições deste ano, que é a aliança com o candidato ao Governo, Mauro Mendes (DEM).

Segundo Garcia, não é interessante ter alguém no grupo que não tenha afinidade com o projeto de Mauro Mendes ao Governo. Além disso, ele revela que Pinheiro sempre fez política parecida com Fagundes, sendo que liberação evitaria também futuros constrangimentos.

“Com relação ao prefeito ele manifestou também um pedido ao MDB para apoiar o senador, talvez porque tenha muito mais afinidade com aquele grupo político. Se fosse uma sugestão ao MDB liberaria logo o prefeito a apoiar o grupo que ele tenha maior afinidade, que faz política mais similar a ele”, explicou durante entrevista a Rádio Capital, na última sexta-feira (10), em Cuiabá.

Para ele, é necessário que os aliados estejam sintonizados e acreditem que o projeto será o melhor para Mato Grosso. O deputado também destaca que não pode forçar um político acreditar em propostas sendo que vivencia outra. Ele ressalta que fez o acordo com o presidente do MDB, deputado federal Carlos Bezerra, para apoiar Mendes, mas não pode interferir em decisões partidárias.

“Na política a gente não força a fazer aquilo que não queira fazer. Então a gente fez um acordo com o presidente do partido do MDB de apoiamento a este novo projeto de Mato Grosso”, explicou.

Sobre o caso da deputada Janaina Riva (MDB), que também pediu liberação para apoiar Fagundes, Garcia se mostrou compreensivo. Isso porque, ela é nora do senador e foi a primeira a pedir que o partido a liberação para apoiar o grupo republicano. “É obvio que a gente entende a situação da deputada Janaina Riva, ela é nora do senador Wellington Fagundes que se apresenta como candidato ao governo, e tomou a decisão de apoiar o seu sogro”, revela.

No caso de Pinheiro, o deputado reforça de que grupo não pode ficar dando voltas e deve decidir o quanto antes. “Se ele quer, libera logo, aonde sele se sente mais confortável, aonde o jeito de fazer politica é mais parecido. Não precisamos ficar dando meia volta”, assinalou.

Fonte | Folhamax

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *