A desembargadora atua como magistrada do trabalho há 29 anos e já passou por vários municípios do estado.

A Desembargadora Adenir Carruesco assumiu o cargo de presidente do Tribunal Regional do Trabalho de Mato Grosso (TRT-MT) para o biênio 2024/2025, em uma cerimônia realizada no plenário do órgão, nesta sexta-feira (15), em Cuiabá. Adenir é magistrada do trabalho há 29 anos e é a segunda mulher negra a ocupar o cargo, sendo a primeira da carreira da magistratura.

“É um grande desafio, mas também é uma honra presidir esse tribunal. Essa posse tem um marco especial, que é o marco da diversidade. Nosso tribunal alcançou a paridade plena, são quatro desembargadores e quatro desembargadoras e agora uma desembargadora negra”, disse

Natural de Santa Cruz de Monte Castelo (PR), Adenir ingressou na Justiça do Trabalho mato-grossense em 20 de outubro de 1994 como juíza do trabalho substituta.

Em 2004 foi promovida a titular e exerceu o cargo nas unidades de Alta Floresta e Primavera do Leste. Já em 2005 foi removida para a 1ª Vara de Rondonópolis, onde permaneceu por 16 anos.

Em dezembro de 2021, a magistrada tomou posse como desembargadora e veio para Cuiabá.

O inicio

Adenir Carruesco já na área de direito — Foto: Arquivo pessoal

Adenir Carruesco já na área de direito — Foto: Arquivo pessoal

Aos 18 anos, Adenir prestou um concurso para o Tribunal de Justiça do Mato Grosso do Sul e foi aprovada para trabalhar no Fórum.

Até então, ela pensava em cursar Educação Física, no entanto, com o trabalho no Fórum, foi surgindo o interesse pelo Direito e ela então decidiu prestar o vestibular.

Passou para o curso de Direito, em Dourados, a 138 km de Naviraí. Na mesma época surgiu uma vaga na 3ª Vara Cível e ela foi novamente selecionada, assim conseguiu trabalhar e estudar. Com o salário que recebia, conseguiu pagar a faculdade, custear a moradia e ajudar os pais.

Em 1994 foi aprovada no concurso para juíza do Trabalho em Mato Grosso. Passou por vários municípios, até firmar residência em Rondonópolis, a 218 km de Cuiabá. Lá também atuou como professora nas faculdades de Direito.

“Sempre digo que o que sou foi sonhado por minha mãe antes de eu nascer, porque eu realizei o sonho dela e fui professora, mas o estudo que ela tanto queria para mim, me mostrou que eu poderia ir além”, destacou.

Via | G1 Fotos | Reprodução

Print Friendly, PDF & Email
(Visited 1 times, 1 visits today)