O governador de Mato Grosso, Pedro Taques, ligou na tarde de ontem (21/11) ao prefeito Zé Carlos do Pátio para comunicar a regularização dos valores em atraso da UTI pediátrica da Santa Casa de Misericórdia e Maternidade de Rondonópolis, a única existente em toda a região sudeste do Estado e que fechou recentemente as portas devido a atrasos nos repasses. Apesar dessa informação, até o final da tarde de ontem, a Santa Casa não reconhecia oficialmente a regularização dos débitos.

Com base nas informações do governador, a Secretaria de Estado de Saúde (SES) repassou que o Governo de Mato Grosso anunciou a liberação de R$ 16 milhões para a área da saúde. Desse total, disse que R$ 8 milhões serão destinados para o pagamento referente ao mês de agosto do serviço de UTIs, incluindo a UTI pediátrica da Santa Casa. Segundo a SES, com esse repasse, os valores para a UTI pediátrica ficam regularizados.

A SES explicou que a população precisa saber que os pagamentos do custeio da UTI pediátrica são feitos com dois meses de defasagem, considerando o tempo necessário para auditoria e faturamento dos serviços realizados. No geral o Estado banca 2/3 (dois terços) dos valores e o Ministério da Saúde 1/3 (um terço) dos valores. Nessa sistemática, o próximo mês a vencer será setembro, no caso a partir de 1º de dezembro.

Além da UTI pediátrica que vem sendo alvo de uma série de protestos por parte da população local devido ao seu fechamento, a Secretaria de Estado de Saúde informou que fará o pagamento do serviço Home Care executado em Cuiabá, Rondonópolis, Tangará da Serra e em Juína, referente a junho de 2017, no valor de R$ 1,8 milhões; e para os oito Hospitais Regionais, incluindo Rondonópolis, inerente a setembro de 2017, no valor de R$ 6,2 milhões.

Procurada, a Santa Casa informou desconhecer a informação de novos pagamentos e que, ainda que haja regularização, a reabertura da UTI pediátrica não será possível de imediato, considerando que houve a desmobilização das equipes, incluindo os médicos intensivistas oriundos, em sua maioria, de outras cidades. O hospital argumentou que o contrato inicial previa pagamento após 30 dias de prazo, mas que o Estado recentemente emitiu uma portaria comunicando que vai pagar com 60 dias de prazo.

Em 14 meses de funcionamento em Rondonópolis a UTI pediátrica recebeu um total de 327 crianças, com uma taxa de ocupação de 62%. Segundo a Santa Casa, a média total mensal de custo da UTI pediátrica é de R$ 324.609,33, incluindo materiais e medicamentos de uso no paciente, materiais de consumo geral, funcionários, pessoal médico, energia elétrica, entre outros.

Mais Atrasos

Além do problema na UTI pediátrica, o corpo clínico da Santa Casa deflagrou uma paralisação de vários serviços eletivos desde o dia 26 de outubro deste ano, alegando não recebimento de serviços prestados diante de atrasos nos repasses por parte do Estado. Conforme o hospital, todos os valores em atraso chega a R$ 5 milhões.   Fonte | Jornal A Tribuna    
(Visited 1 times, 1 visits today)