Jovem de 21 anos alega que recém-nascido foi transferido para outro hospital, em Tangará da Serra, de forma incorreta.

Mãe alega que houve negligência e registrou boletim de ocorrência (Foto: TVCA/ Reprodução)

Mãe alega que houve negligência e registrou boletim de ocorrência (Foto: TVCA/ Reprodução)

Uma mulher denunciou o hospital de Nortelândia, a 254 km de Cuiabá, por negligência após o bebê dela, que nasceu prematuro, morrer. A jovem de 21 anos alega que ele foi transferido para outro hospital, em Tangará da Serra, a 242 km de Cuiabá, de forma incorreta.

Na denúncia feita à polícia, ela diz que jovem disse que, após o parto, a criança foi transportada em uma banheira para o hospital.

A unidade de saúde alegou que a criança foi transportada em um berço cirúrgico.

A mãe, de 21 anos, afirma que procurou o hospital quando apresentava fortes dores e que a médica havia receitado um medicamento e a liberado. No entanto, ela teve que voltar para o hospital devido às contrações.

“As minhas contrações foram aumentando. Eu voltei para o hospital e então a médica veio e realizou o parto”, disse.

Um relatório realizado pelo hospital afirmou que a criança nasceu viva. A direção do local informou que o bebê foi transportado em um berço cirúgico, com mascára de oxigênio, e um pano para protegê-lo do frio.

O bebê nasceu com 1.600 kg, recebeu o suporte de uma enfermeira até chegar no hospital no município de Tangará da Serra.

A jovem alega que o hospital agiu com negligência. A direção, por sua vez, disse que ofereceu todo atendimento necessário para a criança, conforme a estrutura da unidade que é mantida por uma ONG.

“O nenê chegou lá sozinho, dentro da ambulância. O hospital [de Nortelândia] tinha todos os recursos para o meu filho estar bem”, afirmou a mãe.

A mãe registrou um boletim de ocorrência na delegacia de Tangará da Serra, mas o caso será investigado pela Polícia CiviI de Nortelândia.

O hospital que recebeu a criança em Tangará informou que a criança chegou debilitada e que os médicos fizeram o possível para salvar a criança.

Fonte | G1

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *