Dívida da Companhia de Desenvolvimento de Rondonópolis com terceirizadas já somam quase R$ 5 milhões. Proprietários exigem receber ao menos dois salários antes de retomar os trabalhos. 

Prestadores de serviço da Companhia de Desenvolvimento de Rondonópolis (Coder), a 218 km de Cuiabá, decidiram paralisar os trabalhos. Eles alegam que estão há mais de três meses sem receber e exigem receber pelos menos dois salários para que os serviços sejam retomados.

Desde segunda-feira (9), estão em andamento negociações entre os terceirizados e a Coder para o pagamento dos salários atrasados.

Nesta terça-feira (10), caminhões foram parados em frente à prefeitura da cidade. Segundo a proprietária de um dos caminhões que servem à Coder, Crislaine Ferreira Freitas, os terceirizados permanecerão parados até que a situação seja resolvida.

“Eles alegam que não temos horas trabalhadas e que as horas que trabalhamos não atingem o valor para ser pago, mas estamos lá todos os dias”, afirmou.

Atualmente, 22 caminhões pequenos, além de máquinas e veículos grandes são utilizados em prestações de serviço para a Coder,

As dívidas com os terceirizados se acumulam há anos e somam cerca de R$ 5 milhões. Para reajustar apenas os últimos três meses de trabalho prestados, a Coder deveria ter disponíveis cerca de R$ 430 mil para os donos de caminhões. Já para as máquinas grandes, o valor da dívida chega a R$ 2,5 milhões.

Fonte | G1

Powered by Rock Convert
Powered by Rock Convert
(Visited 1 times, 1 visits today)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *