Jeverson Aparecido Cruz, de 30 anos, era amigo da família e participava de uma festa na casa da vítima. O crime ocorreu no município de Paranatinga, no ano de 2014.

A menina de 9 anos, estuprada e morta pelo gari Jeverson Aparecido Cruz, de 30 anos, implorou para não ser morta. A informação consta na decisão da juíza Mônica Catarina Perri Siqueira, da Primeira Vara Criminal de Cuiabá, que condenou o réu a 30 anos de prisão em regime fechado pelo crime. Ainda cabe recurso da decisão.

Segundo a magistrada, Jeverson era amigos da família, frequentava a casa da vítima e participava de uma confraternização na residência dela no dia do crime.

Após deixar a festa, Jeverson levou a menina ao local chamado de ‘lixão’, “que conhecia em razão da sua profissão e estuprou a indefesa menina”.

Em depoimento, uma das testemunhas afirmou à juíza que Jeverson confidenciou as últimas palavras da vítima.

“O réu lhe confidenciou que a vítima se comprometeu em não contar nada sobre o estupro, pedindo para não matá-la, mas mesmo assim ele a matou friamente”, diz trecho da decisão.

Depois de asfixiar a vítima, Jeverson ainda voltou na casa dos responsáveis pela menina e questionou se eles visto ela. O réu disse que abasteceria a moto e voltaria para auxiliar nas buscas, porém, não retornou.

Crime

O crime ocorreu em 2014 em Paranatinga, a 411 km de Cuiabá. O corpo da vítima foi encontrado no lixão do município. O réu foi quem levou a polícia até o local onde o corpo da menina foi deixado.

Jeverson foi preso no mesmo dia, mas estava sem documentos pessoais e apresentou um nome falso. Ele foi solto e preso novamente após indícios o apontarem como o autor do crime.

Ele estava com os documentos e no nome verdadeiro dele constava uma passagem pelo crime de estupro cometido em Cuiabá.

Além da pena de restrição, Jeverson deverá pagar pena pecuniária de 30 dias-multa.

Fonte | G1

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *