Uma parceria firmada entre a Prefeitura e o Ministério Público do Estado de Mato Grosso, está possibilitando a instalação de energia solar (fotovoltaica) em 10 unidades de saúde. A estimativa da Prefeitura é que o projeto trará uma economia de energia elétrica de mais de 100%, equivalente a R$ 240 mil por ano.

 O projeto foi articulado ainda na gestão do ex-secretário Vinícius Amoroso, que na época comandava a Saúde e a proposta foi inscrita no “BAPRE – Banco de Projeto e Entidades do Ministério Público do Estado de Mato Grosso”, que o aprovou, dada a sua importância, economia e o alcance social do mesmo.

Conforme informações da SMS, inicialmente a parceria iria beneficiar 10 unidades básicas de saúde, das quais, duas já receberam o benefício. São elas: a ESF Jardim Santa Clara localizada na Av. Raimundo de Matos, no Jardim Santa Clara I e, a ESF Itapuã, localizada na Rua Otávio Pitaluga, no Jardim do mesmo nome.

De acordo com o engenheiro eletricista da Secretaria Municipal de Saúde, Jhonatan de Oliveira Silva que desenvolveu os projetos e o processo para licitação, a princípio eram para ser 10 unidades de saúde, mas futuramente esse número poderá ser ampliado.

Segundo ele o projeto foi cadastrado no BAPRE e é custeado com recursos resultantes de Termos de Ajustamento de Conduta ou Acordos advindos de multas ambientais conforme projeto cadastrados no Banco de Projeto do MP/MT. Os valores são repassados de forma gradual pelo MP à SEMMA – Secretaria Municipal de Meio Ambiente, onde foi aprovado pelo CONSEMA – Conselho Municipal de Meio Ambiente. A partir daí a equipe técnica da SMS realiza a montagem do processo licitatório, vinculado à dotação orçamentária da SEMA.

Segundo o ex-secretário, “Esse foi o primeiro projeto de energia fotovoltaica para unidades da Prefeitura em parceria com o MP/MT. Estamos compreendendo ainda o processo de tramitação para ampliar esse projeto”. E continua, “Esse talvez seja um dos projetos mais bonitos que tivemos na Saúde. Nossa ideia era implantar em 10 unidades de saúde autossustentável.

Estas unidades serão então usadas como plano piloto para num futuro próximo, quem sabe implantarmos em toda a rede.” argumentou. Amoroso disse ainda que teve a ideia do projeto, porque entendeu a importância da sustentabilidade na rede de saúde, visto que os recursos naturais podem ser usados de forma abundante e renovável, não afetando o meio ambiente.

Vinícius finalizou dizendo que após essas 10 unidades contempladas pelo projeto fotovoltaico em parceria com o MP/MT, a implantação nas demais unidades da rede, ficará a cargo do município de Rondonópolis. O interessante é que os estudos demonstraram que em pouco tempo, o investimento se paga e a economia aos cofres públicos será significativa.

Via | Ailton Lima   Foto | Diego Utida
(Visited 1 times, 1 visits today)

Deixe uma resposta