Será realizada nesta quarta-feira, dia 6, às 14h em Mato Grosso (15h horário de Brasília), a cerimônia de posse da chefe-geral da Embrapa Agrossilvipastoril Laurimar Gonçalves Vendrusculo. O evento ocorrerá no auditório do centro de pesquisa, em Sinop (MT), com participação de empregados, colaboradores e alguns convidados, e também será transmitido pelo canal da Embrapa no Youtube.

Além da nova chefe-geral, participam da cerimônia o pesquisador Austeclínio Lopes de Farias Neto, que exerceu o cargo de chefe-geral da Embrapa Agrossilvipastoril entre 2015 e 2020, e o diretor-executivo de Pesquisa e Desenvolvimento da Embrapa, Guy de Capdeville.

Embora a cerimônia de posse ainda não tenha sido realizada, a transmissão do cargo ocorreu de fato no dia 30 de dezembro de 2021. Nesta nova gestão, Laurimar Vendrusculo conta com auxílio do pesquisador Rafael Pitta, como chefe-adjunto de Pesquisa e Desenvolvimento, do pesquisador Flávio Wruck, como chefe-adjunto de Transferência de Tecnologia, e do analista Antônio Marcos dos Santos, como chefe-adjunto de Administração.

A nova chefe-geral

Pesquisadora da Embrapa desde 1994, Lauriumar Vendrusculo assumiu a chefia-geral da Embrapa Agrossilvipastoril após ser aprovada em processo de seleção e recrutamento interno. O mandato é de dois anos, podendo ser renovado por até duas vezes, totalizando seis anos no cargo.

Graduada em Engenharia Elétrica, tem mestrado em Engenharia Agrícola pela Unicamp e doutorado com dupla formação em Agricultura e Engenharia de Biossistemas pela Universidade do Estado de Iowa, nos Estados Unidos. Fez sua carreira na Embrapa Informática Agropecuária, hoje chamada Embrapa Agricultura Digital. Em 2014 se mudou para Sinop, atuando como pesquisadora removida na Embrapa Agrossilvipastoril.

Ao longo de sua carreira trabalhou com banco de dados agropecuários, datammining, geoestatística, aplicações web, tecnologias de informação e variabilidade espacial.

Desde sua chegada a Mato Grosso, atuou como um dos pontos focais do Zoneamento Agrícola de Risco Climático (Zarc) no estado. Contribuiu para a validação do zoneamento de culturas como soja, milho, algodão, feijão-caupi, sorgo e frutíferas. Coordenando o Laboratório de Geotecnologia Ambiental (Sigeo), desenvolveu pesquisas na área de geotecnologias e sensoriamento remoto e é a representante da Embrapa na Secretaria de Ciência e Inovação do Governo de Mato Grosso.

De acordo com a nova chefe-geral, o objetivo no cargo será o de seguir o plano de trabalho elaborado, estabelecer parcerias externas e fortalecer a relação com o setor produtivo, para que possam contar com a Embrapa Agrossilvipastoril em relação a soluções tecnológicas que alavanquem ainda mais os sistemas produtivos sustentáveis.

“Esse é nosso grande mote e devemos prover isso de maneira efetiva, no tempo que o setor produtivo precisa, mas de uma forma de duas mãos. A gente entrega, mas precisa do levantamento de demandas, do aporte financeiro e do auxílio na divulgação desses processos todos dentro do setor produtivo”, afirma Laurimar Vendrusculo.

Para a nova chefe-geral, assumir a chefia de um centro de pesquisa da Embrapa em Mato Grosso, um dos maiores expoentes nacionais em termos de produção agropecuária é uma grande responsabilidade. Ao mesmo tempo uma grande oportunidade de se trabalhar com inovações que possam trazer mais sustentabilidade para o setor produtivo. Além disso, espera que sua experiência pode servir de inspiração para outras mulheres para que possam assumir cargos de gestão em ciência e tecnologia.

“É um sentimento de alegria, de realização, mas ao mesmo tempo de muita responsabilidade. De trabalhar com uma missão tão grande como essa, que é liderar a Embrapa Agrossilvipastoril com todo o seu potencial”, afirma.

Embrapa Agrossilvipastoril

A Embrapa Agrossilvipastoril é uma das Unidades descentralizadas mais novas da Embrapa, tendo sido criada em 2009. Localizada em Sinop (MT), desenvolve pesquisas sobre culturas de interesse para o setor agropecuário de Mato Grosso, com destaque para alternativas para sistemas integrados de produção agropecuária, como a integração lavoura-pecuária-floresta (ILPF).

No momento de inauguração, em 2012, o centro de pesquisa contou com 110 empregados. Atualmente são 64 empregados, sendo 26 analistas, 22 pesquisadores, 9 assistentes e 7 técnicos. Além destes, outros 9 empregados de outras Unidades da Embrapa ficam lotados em Sinop, sendo seis pesquisadores e três técnicos.

Via | Assessoria
(Visited 1 times, 1 visits today)

Deixe uma resposta