Oncolog está trazendo método que possibilita tratamento mais célere 

O nome é complicado e deriva do inglês, Ultrassonografia Endobrônquica (Ebus). Mas o significado desse método – que começará a ser realizado de forma inédita em Mato Grosso – é a possibilidade de um procedimento menos invasivo para pacientes oncológicos, facilitando a continuidade de tratamentos e com menos traumas agregados.

A inovação pode passar despercebida para alguns, mas representa uma grande oportunidade para pacientes. De acordo com o Instituto Nacional de Câncer (Inca), o Brasil contará com 625 mil novos casos da doença a cada ano do triênio 2020-2022. Por isso, métodos como o Ebus, trazido ao estado pela clínica Oncolog, representam tanto.

O cirurgião torácico Marcelo Borges exalta o avanço que esse tipo de tecnologia traz, combinando alta eficácia e menos desconforto. “O paciente sem a intervenção de cirurgia, faz esse exame, não precisa de anestesia geral e pode dormir em casa. São coisas que somente quem passa por esse tipo de tratamento sabe o que isso representa”, ressalta.

O Ebus funciona da seguinte forma; é um aparelho de ultrassonografia na ponta do broncoscópio, que consegue identificar lesões e colher biópsias na região do mediastino paratraqueal, sem a necessidade de cirurgia. Como resultado, é possível uma recuperação mais rápida, possibilitando também o início de radioterapia e quimioterapia de forma mais acelerada.

“Como ele causa menos traumas ao organismo, o paciente consegue ter uma recuperação mais célere. E isso influencia em todo o tratamento, pois assim é possível iniciar os próximos passos no combate ao câncer de forma mais imediata, o que é sempre algo desejável e que pode trazer mais resultados”, pontua Borges.

A Oncolog, que é uma clínica especializada no tratamento de pacientes com câncer em Mato Grosso, está sendo pioneira no estado ao trazer o Ebus. Anteriormente, esse tipo de alternativa era mais facilmente encontrado nos grandes centros, sendo realizado, por exemplo, no Hospital Israelita Albert Einstein, em São Paulo.

A princípio, o Ebus ou ultrassonografia endobrônquica é indicado para pessoas que tenham alto risco cirúrgico, por possuírem comorbidades. E nos casos de pacientes de baixo risco e que não desejam passar por cirurgia. “Por ser pouco invasivo, poupa esses pacientes de internações e consequentemente de contaminações hospitalares”, finaliza Borges.

Broncoscopia 

É uma tecnologia nova em que é possível melhorar o acesso às lesões que não são visíveis pelo exame convencional de broncoscopia. O Ebus é uma sigla em inglês que significa endobronchial ultrasound, ou seja, ultrassonografia endobrônquica.

Trata-se de um aparelho especial de broncoscopia através do qual pode se identificar gânglios no mediastino e fazer biópsias por punção desses gânglios guiadas por esse ultrassom.

Sobre a Oncolog

Fundada em novembro de 2010, a Oncolog iniciou as atividades atendendo aos pacientes Onco-Hematológicos do Hospital do Câncer de Mato Grosso.

Suas atividades no setor privado tiveram início em setembro de 2018, na unidade do Santa Rosa Tower e no primeiro ano de atividade obteve o selo de qualidade técnica. Pautada no atendimento humanizado, a clínica é acreditada na Organização Nacional de Acreditação (ONA).

Com o Centro de Pesquisa Clínica reconhecido mundialmente, é a única clínica de Mato Grosso que dá acesso aos pacientes a tratamento com novos medicamentos.

(Visited 1 times, 1 visits today)

Deixe uma resposta