A Campanha Nacional de coleta de DNA de familiares de pessoas desaparecidas foi lançada nesta terça-feira (25) no país. Em Mato Grosso, a Perícia Oficial e Identificação Técnica (Politec) já informou os pontos de agendamento, nas delegacias locais.

A data marca o Dia Internacional das Crianças Desaparecidas. O objetivo é coletar materiais biológicos de familiares de pessoas desaparecidas com o intuito de realizar busca no Banco Nacional de Perfis Genéticos (BNPG).

Para realizar a doação do material, o familiar deverá procurar as delegacias locais com o boletim de ocorrência que registrou o desaparecimento, onde será realizado o agendamento da coleta nas unidades da Politec. Os horários dos atendimentos para a coleta na Politec será das 8h às 12h e das 14h às 17h.

Os pontos de coleta serão localizados nas unidades da Politec – Diretoria Metropolitana de Laboratório Forense e no Plantão Metropolitano, em Cuiabá; e na Superintendência da Polícia Federal.

No interior do Estado, as coletas serão realizadas nas respectivas unidades da Politec. As coletas serão realizadas nos dias 14 de junho a 18 de junho. O dia ‘D’ da campanha de coleta será no dia 16 de junho.

Os únicos requisitos para se fazer a coleta, é que o familiar do desaparecido tenha registrado oficialmente o boletim de ocorrência policial em qualquer delegacia distrital, ou na delegacia virtual. Especialmente na semana nacional de Coleta de DNA, a Policia Civil de Mato Grosso disponibilizará equipes para registro do B.O nas unidades policiais.

A campanha foi lançada pelo Ministério da Justiça e Segurança Pública, em conjunto com a Perícia Oficial e Identificação Técnica (Politec), a Polícia Judiciária Civil (PJC), entre outros órgãos.

A Politec participará como um dos pontos de coleta e onde as amostras de DNA serão processadas e, posteriormente, comparadas com o material genético oriundo de restos mortais de cadáveres não identificados armazenados nos institutos médico-legais, em busca da identificação destas pessoas.

Todo o material recolhido será utilizado com a finalidade exclusiva de identificação de pessoas desaparecidas por intermédio do Banco Nacional de Perfis Genéticos (BNPG).

O Banco é coordenado pelo Ministério da Justiça e Segurança Pública.

De forma totalmente voluntária, a coleta deve ser feita, preferencialmente, por familiares de 1° grau da pessoa desaparecida, seguindo a ordem de preferência: pai e mãe; filhos; irmãos.

O DNA do próprio desaparecido também poderá ser extraído de itens de uso pessoal, tais como: escova de dentes, escova de cabelo, aparelho de barbear, aliança, óculos, aparelho ortodôntico, dente de leite, amostra de cordão umbilical.

Esses materiais também poderão ser entregues nos pontos de coleta da Campanha.

Via | G1
(Visited 1 times, 1 visits today)

Deixe uma resposta