O procurador-geral de Justiça de Mato Grosso, José Antônio Borges Pereira, entrou com uma ação na Justiça nesta terça-feira (30) pedindo o afastamento imediato do prefeito de Campo Novo do Parecis, Rafael Machado, por descumprimento de decisão judicial que determina que municípios devem seguir decreto estadual sobre quarentena obrigatória.

Nessa segunda-feira (29), a Justiça determinou que Cuiabá e os outros 140 municípios de Mato Grosso sigam o decreto estadual divulgado em 25 de março de 2021, sobre as medidas restritivas no combate à Covid-19 de acordo com a classificação de transmissão de cada cidade.

O decreto determinou que em municípios, como Cuiabá e Várzea Grande, que estão com risco muito alto de contaminação, façam quarentena obrigatória pelos próximos 10 dias.

No pedido a Justilça, desta terça-feira (30), o procurador pede também a suspensão de artigos dos decretos municipais que contrariam o decreto estadual.

Ao G1, o prefeito Rafael Machado disse que é contrário ao fechamento do comércio, porque viu isso no ano passado a medida não trouxe efetividade alguma.

“Ninguém conseguiu me provar que lockdown é eficiente ou quais medidas serão adotadas pela Secretaria Estadual de Saúde no período de quarentena. Sou extremamente contrário a essa medida como combate a Covid-19. Gostaria de saber quais são as ações previstas em saúde para os próximos 30 dias”, afirmou.

Sobre o pedido de afastamento, ele ainda não se manifestou.

O procurador José Antônio Borges requer que na liminar seja determinado que, logo após o afastamento do prefeito, o vice-prefeito assuma o cargo. O prefeito deverá ser impedido de exercer qualquer ato de gestão, não podendo sequer utilizar as dependências da prefeitura, enquanto durar seu afastamento.

De acordo com o pedido, apesar da advertência expressa de que o descumprimento da ordem judicial relativa às medidas restritivas para contenção da pandemia teria responsabilização, o prefeito de Campo Novo do Parecis, em manifestação pública, afirmou que não cumprirá a determinação judicial. Segundo o MPE, ele ainda teria incentivado os comerciantes a descumprirem a decisão.

A conduta por ser responsabilizada como crime de desobediência e de infração de medida sanitária preventiva, sem prejuízo da eventual caracterização de ato de improbidade administrativa.

Além da instauração de procedimento para fins de responsabilização criminal que será deflagrada pelo procurador-geral de Justiça, também será requerido ao a apuração da responsabilidade por ato de improbidade administrativa contra Rafael.

Via | G1
(Visited 1 times, 1 visits today)

One Reply to “Procurador pede afastamento de prefeito de Campo Novo do Parecis que disse que não irá cumprir decreto estadual”

  1. Esse ser desprezível quis incentivar ódio da população e insinuou que quarentena é sinônimo de lockdown. Este bater de frente com o MP é possivelmente para tentar ganhar votos, já que dizem este covarde irá se candidatar a Deputado. Por que o chamo de covarde? Aguardo a mais de um ano ele ter coragem de publicar no Diário Oficial um Termo de Julgamento de uma perseguição macabra que funcionários dele optaram por fazer a mim e nada dele ter coragem, se amarelou comigo, obviamente não seria estúpido de querer amarelar com o MP.

Deixe uma resposta