O soldado Marcos Vinicius Pereira Ricardi, acusado de envolvimento no homicídio da Zuilda Correia Rodrigues, 43 anos, ocorrido em setembro de 2019, em Sinop (500 km de Cuiabá), foi demitido pelo  comandante-geral da Polícia Militar,  coronel PM Jonildo José de Assis.

A informação consta no Diário Oficial do Estado (7) dessa quinta-feira (7).

De acordo com a decisão, o policial “infringiu valores éticos e morais”, além de deveres e obrigações previstos no Estatuto dos Militares do Estado de Mato Grosso.

O comandante da PM determinou que fossem recolhidos a identificação funcional, o fardamento e os apetrechos que estão sob a posse do militar.

Na portaria, o comandante também estabeleceu que a Diretoria de Gestão de Pessoas tome providências para que o acusado seja excluído da folha de pagamento do Estado. O soldado ainda pode recorrer da decisão.

De acordo com o site Só Notícias, a juíza da 2ª Vara Criminal, Débora Roberta Pain Caldas, determinou que Marcos e o ex-marido de Zuilda, Ronaldo da Rosa, sejam levados a júri popular.

A dupla será julgada por homicídio qualificado, cometido de maneira cruel, mediante recurso que dificultou a defesa da vítima e contra mulher em razão do gênero (feminicídio).

No caso do policial militar, há ainda uma qualificadora de crime cometido supostamente mediante recompensa. Por outro lado, o esposo da vítima poderá ter a pena agravada pela qualificadora  do motivo fútil.

Os dois também respondem por ocultação de cadáver. A magistrada ainda decidiu que a dupla deverá seguir presa. O policial está recluso no Comando Regional da Polícia Militar. Já o ex-marido de Zuilda no presídio Ferrugem, em Sinop.

O ex-esposo de Zuilda foi preso, um mês após o crime, no Camping Club.

Na única declaração que deu à imprensa, ao ser conduzido à delegacia pelos investigadores, disse ser inocente.

Os policiais monitoraram ele por cerca de 10 horas e estavam com mandado judicial para prendê-lo. Durante interrogatório, permaneceu em silêncio.

O policial foi o primeiro a ser preso e revelou que o corpo da enfermeira havia sido jogado em uma tubulação, nas proximidades do centro de eventos Dante de Oliveira, no perímetro urbano de Sinop.

Ele confessou ainda ter participado do espancamento que resultou na morte de Zuilda.  O soldado acusou o marido da enfermeira de também ter cometido as agressões.

O esposo de Zuilda tinha um ponto de venda de espetinhos, no centro da cidade, onde o policial militar trabalhava fazendo entregas, uma vez que estava afastado da corporação. Conforme a versão inicial apresentada pelo militar, a tentativa seria dar um susto na enfermeira simulando tentativa de assalto e a situação teria saído do controle.

Zuilda era funcionária de um hospital e desapareceu no dia 27 de setembro de 2019.  Com informações do Só Notícias.

Via | RMT

(Visited 1 times, 1 visits today)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *