Estratégia de política externa de Bolsonaro representa graves riscos para o país

Com a campanha presidencial mais dramática e imprevisível desde 1989, agora entrando em sua reta final, as propostas de política externa de cada candidato ainda recebem pouca atenção do eleitor. Isso é um erro. A política internacional impacta muito mais a vida da população do que a maioria dos brasileiros tem a oportunidade de observar. Há implicações diretas, que vão desde a economia e a segurança pública até o combate à corrupção e a mudança global do clima.

As propostas de política externa do candidato Jair Bolsonaro, líder nas pesquisas, merecem atenção especial por várias razões. Presidentes costumam enfrentar muitas restrições no âmbito doméstico e ter mais liberdade na política externa, sobretudo quando seus projetos internos dão errado —uma possibilidade real no caso de Bolsonaro, cujo partido tem pouca representação no Congresso—. Isso se agrava pelo fato de que Bolsonaro não se verá limitado pela longa tradição da política externa brasileira —muito pelo contrário, sua identidade política é construída sobre a narrativa da mudança radical. Além disso, o PSL não tem uma ideologia de política externa pré-estabelecida dentro da qual Bolsonaro terá que operar.

Na frente econômica, Bolsonaro propõe um amplo programa de liberalização, reduzindo as barreiras comerciais, reduzindo subsídios, acelerando negociações comerciais e privatizando empresas estatais. No entanto, como ressalta Matias Spektor, pouco indica que Bolsonaro será capaz de construir as alianças necessárias para enfrentar poderosos grupos de interesse que atualmente se beneficiam de subsídios e de uma economia protegida —como, por exemplo, a indústria automobilística brasileira.

Em recente entrevista à Globonews, seu vice, o general Hamilton Mourão, prometeu escolher as pessoas mais qualificadas para liderar cada ministério, assegurando que Bolsonaro romperia com a prática tradicional de distribuição de cargos entre os partidos aliados, marca registrada do presidencialismo de coalizão. Nem Bolsonaro nem seu vice apresentaram um plano crível até agora sobre como superar o velho sistema dominado pelo lobby de segmentos privilegiados da sociedade. Como Bolsonaro também promete adotar uma postura mais dura em relação a investimentos chineses —não necessariamente uma má ideia—, industriais apelarão ao instinto nacionalista de Bolsonaro, evocando a ameaça chinesa na hora de pedir proteção especial.

Na frente geopolítica, o candidato tem simpatia por Donald Trump e promete alinhar as posições do Brasil com as dos Estados Unidos. Isso pode ser inteligente do ponto de vista eleitoral, já que muitos adeptos de Bolsonaro também são fãs de Trump. Mas é uma proposta arriscada por duas razões. Em primeiro lugar, Bolsonaro propõe a liberalização econômica, enquanto Trump adotou a estratégia oposta. Se o assessor econômico de Bolsonaro, Paulo Guedes, defende a privatização das estatais e a globalização, Trump, por sua vez, tem ojeriza ao livre comércio.

Em segundo lugar, a política externa dos Estados Unidos sob Trump é errática e imprevisível, e os países mais prejudicados são os tradicionais aliados, como México, Canadá, Alemanha e Japão. Querer se aproximar de Washington neste cenário é quixotesco e cheio de riscos. O governo dos EUA de Trump não é um aliado confiável. Renega tratados que negociou (como o Acordo Nuclear com o Irã) e mostra-se ambíguo em relação a pilares da ordem global, como o Artigo 5 da OTAN, o qual prevê que um ataque armado contra um país membro será considerado uma agressão contra todos, para ficar em dois exemplos apenas.

Como Trump, Bolsonaro tentará reduzir os compromissos internacionais do Brasil no combate à mudança do clima e no âmbito dos direitos humanos. Os eleitores de Bolsonaro o aplaudem. Para muitos deles, as instituições internacionais, e a ONU em particular, são vistas como ameaças ao interesse nacional —ou uma “conspiração socialista global”, como um eleitor de Bolsonaro a descreveu para mim recentemente.

No entanto, se o impacto para os Estados Unidos, que pode oferecer garantias militares e acesso a um grande mercado de consumidores, for negativo, a adoção de uma posição semelhante no Brasil teria consequências devastadoras para o país. Afinal, a reputação brasileira baseia-se em grande parte em seu papel construtivo no apoio das regras e normas, cruciais para a comunidade internacional enfrentar os desafios globais mais urgentes. A retirada do Brasil dos debates sobre direitos humanos e mudanças climáticas teria péssimo impacto em sua relação com outros países, sobretudo da América Latina e da Europa.

Mas há espaço para alguma esperança. Diferentemente de outros ministérios, o Itamaraty não pode ser tão facilmente aparelhado com seguidores leais ao presidente. Diplomatas poderiam tentar empurrar com a barriga iniciativas problemáticas até a presidência de Bolsonaro passar. Da mesma forma, os crescentes problemas internos de Trump e o espectro de um impeachment nos Estados Unidos podem ajudar a convencer Bolsonaro, se eleito, de que o alinhamento automático com Washington é uma aposta arriscada em uma ordem mundial cada vez mais centrada na Ásia do século XXI.

Fonte | El País

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *