O ex-presidente está preso há quatro meses após ter sido condenado em segunda instância por corrupção passiva e lavagem de dinheiro

Dos eleitores que têm a intenção de votar no ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) apenas um terço (34,4%) pretendem manter essa escolha nas urnas mesmo que o líder petista continue preso em Curitiba, aponta levantamento do Instituto Paraná Pesquisas realizado entre 9 e 13 de agosto.

Lula lidera as pesquisas de intenção de voto para a corrida presidencial, segundo o Instituto, ele tem apoio de 30,8% dos eleitores, seguido por Jair Bolsonaro (PSL), com 22%. Quando o nome do petista é excluído das avaliações, o deputado herda a liderança com 23,9% das intenções de voto, 10,7 pontos percentuais a mais que a segunda colocada, a ex-senadora Marina Silva (Rede).

O ex-presidente está preso há quatro meses após ter sido condenado em segunda instância por corrupção passiva e lavagem de dinheiro. Sua candidatura corre risco de ser barrada, em função da aplicação da Lei da Ficha Limpa. Alguns pedidos de impugnação da candidatura de Lula já foram registrados.

Minutos após registrar sua candidatura no TSE (Tribunal Superior Eleitoral) dois questionamentos foram apresentados, um por Kim Kataguiri, um dos líderes do MBL (Movimento Brasil Livre), e outro pelo ator Alexandre Frota. Por sorteio, ficou definido que o primeiro pedido será analisado pelo ministro Admar Gonzaga, enquanto o segundo caso ficará com o ministro Tarcísio Vieira Carvalho Neto. Tanto Kim quanto Frota serão candidatos a deputado federal, o primeiro pelo DEM e o segundo pelo PSL.

Em seu pedido, o líder do MBL argumenta que Lula foi condenado em segunda instância e, por isso, não pode ser candidato por não ser Ficha Limpa. Segundo o advogado Cristiano Vilela, especialista em direito eleitoral, tanto Kim quando Frota não têm legitimidade para fazer o pedido de impugnação.

A procuradora-geral Eleitoral, Raquel Dodge, também apresentou no início da noite de quarta-feira (15) impugnação à candidatura de Lula. Nesta quinta-feira (16), ela pediu que o TSE comece a contar o prazo de cinco dias para a defesa do ex-presidente se manifestar sobre a impugnação.

O pedido é uma segunda opção apresentada pela PGR para dar celeridade ao processo que deve indeferir a candidatura do líder petista. Antes, o órgão já havia pedido que o ministro Luís Roberto Barroso, que ficou com a relatoria do caso, negue liminarmente o registro de Lula.

Também nesta tarde, Bolsonaro entrou com um questionamento junto ao TSE sobre a candidatura de Lula. O documento entregue diz que “é de conhecimento geral” a condenação de Lula e que “restou comprovado” que ele “participou de um grande esquema de corrupção”.

Fonte | Infomoney

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *