Profissionais afirmam que estão há quatro meses sem receber salários na unidade. Hospital entrou com ação na Justiça para forçar o estado a quitar dívida.

 

Médicos da Santa Casa de Rondonópolis, a 218 km de Cuiabá, paralisaram parcialmente os atendimentos alegando atraso nos repasses feitos pelo município e pelo governo estadual. Os profissionais afirmam que estão há quatro meses sem receber os salários e, por isso, as cirurgias eletivas (agendadas) foram suspensas na unidade.

A Secretaria de Saúde de Rondonópolis disse que encaminhou recursos federais e estaduais que recebeu para a Santa Casa. Já a Secretaria Estadual de Saúde (SES-MT) afirmou que tem feito os repasses para os filantrópicos, mesmo com dificuldades financeiras. No entanto, a Federação dos Hospitais Filantrópicos de Mato Grosso contesta o governo e diz ainda que outros três hospitais também estão com as verbas atrasadas.

Essa é a terceira vez que a Santa Casa de Rondonópolis suspende os serviços prestados aos pacientes do Sistema Único de Saúde (SUS) por atraso nos repasses. A unidade, que atende pacientes da região sul do estado e é referência em maternidade e cardiologia para 19 municípios daquela região, entrou na justiça para forçar o estado a pagar os repasses atrasados.

“Vocês conseguiriam ficar quatro meses sem receber? O governador ou o secretário [de Saúde] poderiam trablahar sem receber durante quatro meses?”, questionou o diretor clínico do hospital, Luciano Oliveira.

Por enquanto, apenas os serviços de urgência e emergência estão mantidos. De acordo com o diretor do hospital, Kemper Carlos Oliveira, a dívida que o governo e o município possui com a Santa Casa é de R$ 5,3 milhões, referentes a serviços de média e alta complexidade prestados.

“O que nós entendemos é que o contrato é com o município e o governo é quem repassa esses valores para o município, então [a dívida] é da Secretaira Estadual de Saúde”, afirmou.

Fonte | G1 MT

Foto | Reprodução Internet

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *