Só em 2021, rodovias do Centro-Oeste tiveram mais de 1 mil quilômetros renovados. Recursos públicos e privados estão modernizando aeroportos da região e vão expandir malha ferroviária

Ao garantir investimentos e integrar rodovias, ferrovias, portos e aeroportos, o Governo Federal, por meio do Ministério da Infraestrutura, vem garantindo uma melhor conexão do Centro-Oeste brasileiro com o restante do país e até com outras nações. Os estados da região, responsáveis por boa parte da produção agrícola nacional, agora conseguem distribuir seus produtos por diversos portos aos mercados interno e externo, de forma mais competitiva e gerando emprego e renda para todos os brasileiros.

Confira aqui a apresentação do ministro da Infraestrutura, Marcelo Sampaio, sobre as entregas da pasta no primeiro semestre deste ano.

Espinha dorsal do sistema de estradas de ferro do país, a Ferrovia Norte Sul (FNS) ganhou um terminal ferroviário em Rio Verde (GO) e teve o primeiro trecho da Malha Central entrando em operação neste ano. Com capacidade de transporte de 11 milhões de toneladas de grãos por ano, o terminal vai atender o estado de Goiás e o leste do Mato Grosso.

Antes, foi inaugurado o primeiro trecho da Malha Central da FNS, entre São Simão (GO) e Estrela D’Oeste (SP), o que marcou o início da operação regular no segmento após mais de 30 anos de iniciadas as obras da ferrovia. Os 172 quilômetros de novos trilhos serão fundamentais para o escoamento da produção do Centro-Oeste — especialmente soja — em direção ao Porto de Santos (SP).

A região também será beneficiada com a possibilidade de entes privados projetarem, construírem e operarem novas ferrovias no país pelo regime de autorização. Oito empreendimentos já autorizados pelo Governo Federal cortam estados do Centro-Oeste, conectando-os a outras regiões: juntas, as propostas têm potencial para agregar 3,2 mil quilômetros à malha ferroviária do país, somando R$ 44,4 bilhões em investimentos previstos.

Corredores renovados
A ampliação de capacidade da BR- BR-364/365/MG, em Ituiutaba/MG e Jataí/GO, é outro destaque das entregas realizadas pelo MInfra em 2022. O trecho faz parte de uma das mais importantes rotas de escoamento de grãos do Centro-Oeste até o Porto de Santos (SP). Também é fundamental ao abastecimento da região sul de Goiás e do estado de Minas Gerais, principalmente com produtos de carga geral, industriais, materiais de construção e alimentos.

Neste ano, entraram em operação 19 bases de serviços operacionais na BR-153/414/080/GO/TO para que os usuários possam usufruir dessas estruturas de apoio a motoristas e passageiros. Nove desses espaços oferecerão atendimento exclusivo 24 horas por dia, com sanitários (adequados para pessoas com deficiência), fraldários, sala de descanso, bebedouro, estacionamento e veículos para atendimento das ocorrências nas vias. As estruturas são parte das obrigações previstas no contrato de concessão desse sistema de rodovias federais.

Em 2021, foram mais 1,1 mil quilômetros de rodovias renovadas. Ao todo, as entregas do Governo Federal na porção central do país somaram, só no último ano, R$ 1.681.220.725,28 e contribuem para a modernização da logística nacional de transportes e o escoamento da produção agroindustrial.

Entre as muitas realizações, o MInfra completou a 168 quilômetros de duplicação na BR-163/364/MT, entre Cuiabá e Rondonópolis (MT); a restauração de outros 437 quilômetros na BR-364/365/MG/GO, de Rio Verde (GO) a Uberlândia (MG), além de mais 14,3 quilômetros na BR-060/MS, entre Sidrolândia e Nioaque (MT).

A rodovia BR-050, entre Cristalina e Catalão (GO), teve um trecho de 53,9 quilômetros de pista duplicada em 2019. Considerada uma das rodovias mais movimentadas do país, a BR liga a capital federal à maior metrópole brasileira: São Paulo. Já em 2020, destacam-se os serviços de restauração e as obras de adequação dos retornos existentes no Anel Viário de Goiânia e Aparecida de Goiânia. O local, além do trânsito da região, apresenta tráfego intenso de veículos leves e de carga vindos da BR-060/GO e da BR-153/GO, importantes corredores logísticos do país e que favorecem o transporte de bens e serviços para toda a população. Foram implantadas barreiras de proteção em concreto em pontos estratégicos, a fim de coibir o tráfego de veículos e motos em locais inadequados.

O Governo Federal concluiu também 100% dos serviços de restauração e manutenção da BR-080/GO. Devido ao desenvolvimento do agronegócio da região, o potencial turístico e a necessidade de deslocamento dos moradores entre as cidades goianas localizadas no entorno do Distrito Federal, a capacidade da rodovia, que era a mesma desde a sua implantação, ficou incompatível com o volume médio diário de veículos. Além de transformar a realidade da estrada e favorecer o desenvolvimento do país, a entrega proporcionou mais segurança e conforto aos usuários, com a redução do tempo de viagens e do índice de acidentes.

Prioridades na aviação

Com recursos do Governo Federal, o Aeroporto de Bonito, administrado pelo estado, passou por melhorias em 2022. Além da reforma e ampliação da Seção Contraincêndio (SCI), o aeródromo recebeu um sistema de Percurso de Aproximação de Precisão (Papi), o que reduz riscos de acidentes durante pousos e decolagens.

Mas os investimentos na integração do Centro-Oeste brasileiro com outras regiões do país e do mundo não terminam por aí. Leiloado durante a Infra Week, o terminal aéreo de Goiânia (GO) terá sua estrutura e capacidade operacional transformadas. Junto com quatro aeroportos do Nordeste e um da região Norte, ele receberá, ao longo das próximas três décadas, investimentos privados que somam R $1,8 bilhão. O Grupo CCR, que arrematou esse lote no leilão realizado em abril de 2021, assumiu a gestão desses aeródromos no primeiro semestre deste ano, iniciando a modernização dos empreendimentos.

Em 2021, o aeroporto de Campo Grande (MS) passou por completa reformulação. Teve a sala de embarque ampliada em 178% e a capacidade de passageiros, em 80%. Isso significa que em vez de receber 2,5 milhões de usuários por ano poderá atender a 4,5 milhões/ano. O aeródromo passou ainda por renovação das pistas de taxiamento, do pátio de aeronaves e do acesso viário ao terminal aeroportuário, além da recuperação e do nivelamento da faixa preparada da pista de pouso, com implantação de áreas de escape, e da recuperação do sistema de drenagem. O terminal está incluso na sétima rodada de concessões aeroportuárias: no total, 15 aeroportos serão ofertados à iniciativa privada, em leilão marcado para 18 de agosto, que deve resultar na contratação de R $7,3 bilhões a serem investidos na elevação dos níveis operacional e de serviços dos ativos.

Para mais informações sobre o balanço do MInfra, acesse o link.

Via | Assessoria Minfra
(Visited 1 times, 1 visits today)

Deixe uma resposta