Cada vez mais valorizada na vida adulta, a formação holística ganha espaço desde o jardim de infância, estimulando a resiliência, empatia e outras competências socioemocionais a partir dos primeiros passos

Autonomia, confiança e autoestima são algumas das competências cada vez mais exigidas na vida adulta e no mercado de trabalho, principalmente de candidatos a cargos de liderança. O que poucos sabem é que essas habilidades começam a ser desenvolvidas muito cedo, logo na primeira infância, período que vai desde o nascimento até os seis anos de idade, quando ocorre o maior desenvolvimento cerebral. De olho nisso, escolas adotam a educação socioemocional por meio de programas e soluções educacionais capazes de estimular as habilidades cada vez mais cedo.

A escola de método natural, Arvense, localizada em Brasília, incorporou ao seu sistema educacional e de comunicação o programa socioemocial A+ Humano, oferecido pela Plataforma A+, hub de soluções que reúne ferramentas de gestão, de aprendizagem, de comunicação e de conteúdo — da Educação Básica ao Ensino Superior. Criado em parceria com a Educa 21, por Rossandro Klinjey, o A+ Humano reúne uma série de recursos para aplicação em sala de aula, que auxiliam na construção da educação socioemocional das crianças. Além disso, o programa também conta com conteúdo exclusivo para pais e professores por meio de uma escola de educação parental e para educadores, além de uma trilha de material de apoio complementar.

“O cuidado com a formação holística faz parte da nossa missão. Além da aprendizagem curricular, os alunos precisam aprender a perceber e gerenciar seus sentimentos, a fim de que possam se conhecer e criar conexões positivas e empáticas com o outro”, afirma Daniel Ramos, mestre em educação para a saúde e embaixador do projeto no Colégio Arvense. Segundo Daniel, é neste período que as crianças são amplamente impactadas pelo ambiente e pelas pessoas ao seu redor. É nessa fase também que elas constroem as bases para convivência social, aprendem a se comunicar, a seguir regras, a lidar com a frustração, a reconhecer os seus sentimentos e a criar empatia pelos outros, daí a importância de trabalhar, com intensidade, tais competências.

“Depois do ambiente familiar, a escola é o local mais importante para as crianças porque é onde constroem boa parte das relações sociais e, consequentemente, vivenciam as mais diversas sensações. Por isso, contar com uma equipe escolar bem preparada é primordial para que as crianças consigam construir habilidades socioemocionais que as ajudem a desenvolver o autocontrole, autonomia, resiliência, solidariedade e empatia”, explica Alexandre Sayão, CEO da Plataforma A+ que hoje está presente em mais de 360 instituições da educação básica ao ensino superior e reúne mais de 350 mil alunos em todo o país.

“Os diretores das instituições de ensino entendem a importância do cuidado com a saúde mental das crianças e dos adolescentes, especialmente após esses últimos dois anos. Por isso, desenvolvemos o A+ Humano, solução que abrange toda a comunidade escolar (gestores, professores, funcionários, alunos e famílias), pois entendemos que, para dar suporte para a criança é fundamental que toda rede de apoio esteja envolvida”, completa.

Estabilidade emocional desde a infância

Segundo estudo elaborado por Travis Bradberry e Jean Greaves, publicado no livro “Inteligência Emocional 2.0”, da TalentSmart, mais da metade do desempenho profissional é impactada pela inteligência emocional. Aqueles com melhor performance, coincidentemente, possuíam a habilidade melhor desenvolvida e apresentavam maior ganho financeiro.

Para o psicólogo Rossandro Klinjey, embaixador e co-fundador da Educa 21, esse cenário é natural, pois quando há estabilidade emocional, a tomada de decisões conscientes se torna mais fácil e isso auxilia na resolução de problemas complexos e também no enfrentamento de desafios propostos pela vida. “A educação socioemocional proporciona um aprendizado que vai além da prova, porque o teste real acontece na vida. A verdadeira educação precisa ir além da sala de aula e todos precisam estar comprometidos com o desenvolvimento desses jovens cidadãos”, reforça o psicólogo.

Com o mundo cada vez mais conectado, o programa também ensina o aluno a usar a internet de uma forma mais segura e consciente. Por meio das aulas do Letramento Digital, o estudante aprende a aproveitar o ambiente digital de forma crítica e positiva.

Sobre a Plataforma A+:

Criada para oferecer toda a estrutura da gestão de ensino na palma da mão, a edtech é hoje um hub de soluções que reúne ferramentas de gestão, de aprendizagem, de comunicação e de conteúdo da Educação Básica ao Ensino Superior, facilitando a digitalização das instituições de ensino de ponta a ponta.

Com acompanhamento dos dados em tempo real, proporciona uma gestão escolar data driven, incluindo recursos de aprendizagem adaptativa e utilização de metodologias ativas de ensino. Também proporciona agilidade aos processos administrativos e potencialização da excelência acadêmica.

Atualmente a Plataforma A+ Unimestre reúne mais de 360 instituições da educação básica ao ensino superior e mais de 350 mil alunos em todo o país.

Conheça o Diploma Digital A+ Unimestre.

(Visited 1 times, 1 visits today)

Deixe uma resposta