Depois de quase 27 horas de julgamento, a Justiça de Mato Grosso condenou Fabiola Pinheiro Bracelar a 25 anos, nove meses e 25 dias de prisão pelo assassinato do menino Davi Gustavo Marques de Souza, de 3 anos, em novembro de 2019. O resultado foi divulgado nesta quinta-feira (13).

A ré foi condenada por homicídio qualificado por motivo torpe, tortura e com recurso que dificultou a defesa da vítima, bem como pelo crime de tortura.

A criança tinha três anos e era filha de Luana Marques Fernandes, à época com 25 anos, namorada de Fabíola, com 22 anos. A mãe de Davi, que também foi presa no mesmo dia do crime, recebeu a pena de 3 anos, 10 meses e 20 dias em regime aberto pelo crime de tortura por omissão.

Fabiola Pinheiro Bracelar (à esquerda) e Luana Marques Fernandes (à direita) foram condenadas pela morte do menino em Nova Marilândia — Foto: Divulgação

De acordo com o juiz Diego Hartmann, que conduziu o julgamento, foram ouvidas mais de 20 testemunhas de acusação e defesa, para que depois, após a participação dos advogados e do Ministério Público, o júri chegasse ao veredito.

Algumas testemunhas, segundo o magistrado, foram ouvidas de forma híbridas.

O magistrado assinalou ainda que, além de Arenápolis, o julgamento movimentou as comunidades de Santo Afonso e Nova Marilândia, local que aconteceu o crime. Dias depois do homicídio, as detentas foram levadas para a Penitenciária Feminina Ana Maria Couto May, em Cuiabá, onde aguardavam o julgamento.

O caso

Davi Gustavo Marques de Souza foi levado sem vida à Unidade de Pronto Atendimento (UPA) de Nova Marilândia por Fabíola Bracelar, que saiu da unidade de saúde em seguida. Conforme relatou a equipe da UPA, a criança apresentava hematomas e escoriações pelo corpo, fratura no fêmur e em uma das costelas.

A Polícia Militar foi acionada pelos profissionais de saúde, que, em seguida, conseguiu prender Fabíola e a mãe do garoto na rua da casa onde residiam.

À época, testemunhas disseram à polícia que o menino era constantemente espancado pela mãe e por Fabíola.

Segundo o delegado Marcelo Henrique Maidame, o laudo sobre a morte do menino indicou que ele teve um intenso sofrimento físico com graves ferimentos.

O laudo médico apontou como causa da morte espancamento e esmagamento, uma vez que, além das lesões externas, foram identificados vários pontos de hemorragia interna na região do abdômen da criança.

Fabíola ocupava o cargo de ‘monitor de programa’ da coordenação de esportes da cidade e foi exonerada dias depois do crime.

Via | G1
(Visited 1 times, 1 visits today)

Deixe uma resposta