Além de Cuiabá, o Projeto Reconstruindo Sonhos será replicado em mais nove municípios. Nesta quinta-feira (30), durante a reunião de trabalho para apresentação da iniciativa aos promotores de Justiça que atuam na área criminal e execução penal, alguns membros do Ministério Público do Estado de Mato Grosso anunciaram que têm total interesse em aplicar o projeto. A iniciativa busca assegurar a ressocialização de reeducandos que cumprem pena nas unidades prisionais do estado.

Na abertura do evento, a coordenadora do Centro de Apoio Operacional Criminal e Execução Penal, Josane Fátima de Carvalho Guariente, destacou que o grande diferencial do Projeto Reconstruindo Sonhos é a possibilidade de se trabalhar o interior dessas pessoas em um processo de ressignificação. Ela lembrou as fases de construção do projeto, que começou em 2019 com a elaboração de um plano de ação.

Quando começamos a pensar no projeto, eu sentia a necessidade de ir além da qualificação profissional dos reeducandos. Foi quando ficamos sabendo do trabalho desenvolvido pelo Instituto Ação Pela Paz, em São Paulo. Entramos em contato e começamos juntos a desenvolver a ideia que hoje se materializa com o Reconstruindo Sonhos”, afirmou a coordenadora.

A promotora de Justiça auxiliar da Procuradoria-Geral de Justiça e coordenadora do Planejamento Estratégico Institucional, Hellen Ulliam Kuriki, que no ato representou o procurador-geral de Justiça José Antônio Borges Pereira, ressaltou que a instituição trabalhou de forma planejada e organizada para atender as necessidades dos reeducandos. “Este projeto oportunizará não apenas a reconstrução de sonhos, mas também a possibilidade de se reescrever histórias de vida”, destacou.

A diretora executiva do Instituto Ação pela Paz, Solange Senese, enfatizou que a metodologia utilizada no projeto busca assegurar o fortalecimento de valores junto aos reeducandos, além da qualificação profissional. Segundo ela, o Instituto Ação Pela Paz nasceu a partir da teoria da mudança e começou a realizar esse trabalho em 2015. “Ainda não temos números que comprovam os resultados, mas os indicadores têm mostrado que estamos no caminho para a queda da reincidência”, ressaltou.

O procurador de Justiça Paulo Roberto Jorge do Prado, que atua na Especializada da Criança e do Adolescente, participou do evento e adiantou que analisará a possibilidade de implantar algo semelhante com adolescentes infratores. “Não temos o direito de estacionarmos, não podemos perder a capacidade de indignação. Acredito neste projeto, acredito no ser humano e acredito que nada está pronto e acabado, estamos sempre construindo possibilidades”, enfatizou.

O promotor de Justiça Wesley Sanches Lacerda, que atualmente responde pela Procuradoria Especializada Criminal, explicou que o Reconstruindo Sonhos atende à macroação estabelecida no Planejamento Estratégico, que prevê o fomento à ressocialização dos reeducandos por intermédio de parcerias interinstitucionais que viabilizem trabalho e cursos nas unidades penais. “Esta é a chance de aproveitarmos um modelo de excelência e que já está pronto e, ao mesmo tempo, contribuirmos para o alcance da meta para o ano de 2021”, reforçou.

Mediadora dos trabalhos, a promotora de Justiça e coordenadora adjunta do CAO Criminal e Execução Penal, Ludmilla Evelin de Faria Santana Cardoso, esclareceu as dúvidas dos promotores de Justiça relacionadas à execução do projeto. “O Reconstruindo Sonhos ocupa vácuos referentes a valores para que os reeducandos possam retornar ao convívio social”, enfatizou.

Durante a reunião de trabalho, foi disponibilizado aos promotores de Justiça um guia de implementação do projeto. A apresentação do passo a passo para o desenvolvimento da inciativa ficou a cargo da psicóloga do CAO Criminal e Execução Penal, Amanda Freire de Amorim.

O Reconstruindo Sonhos conta com parceria do Poder Judiciário, Governo do Estado, Defensoria Pública, Instituto Ação Pela Paz e Ordem dos Advogados do Brasil, Seccional Mato Grosso.

Via | Assessoria MPMT
(Visited 1 times, 1 visits today)

Deixe uma resposta