O produtor precisa estar atento com a disseminação do capim pé de galinha e vassourinha de botão

 

O capim pé de galinha e a vassourinha de botão estão entre as ervas daninhas de mais difícil controle e impedem o produtor de alcançar resultados satisfatórios na lavoura. Conhecidas como ervas problemáticas, têm-se relatado falhas no manejo dessas plantas daninhas no sistema de produção.

A engenheira agrônoma e pesquisadora da Proteplan, Aline Deon, explica que a principal estratégia está no estágio de controle. De acordo com ela, manejar essas plantas já em estágio avançado de desenvolvimento ou entouceiradas, aumenta o custo de controle, além de haver redução na eficácia. “Aliado a isso, aplicações sequenciais, sempre rotacionando mecanismos de ação de herbicidas, têm trazidos bons resultados”, aponta.

Deon, que é especialista em herbologia e trabalha com testes com variados tratamentos como alternativas no manejo de plantas daninhas, recomenda que os cuidados devem ser tomados durante as três etapas: antes, durante e após o plantio. “Antes do plantio realizar uma boa dessecação da área, durante o plantio fazer uso de herbicidas com ação pré emergente e após é importante manter o máximo de controle das plantas invasoras para que não haja competição com a cultura agrícola”, sugere a engenheira.

Outras informações sobre essa temática serão abordadas, gratuitamente, pela pesquisadora durante o Circuito Master Meeting Soja, nesta quinta-feira, 10, às 19h30 (horário de Brasília), no  canal da Proteplan no Youtube. A live contará também com a apresentação de resultados de pesquisas de Fernando Adegas (Embrapa) e de Eliezer Gheno (Coacen), ambos irão mostrar as principais estratégias de manejo de ervas problemáticas. Além disso, Aline Deon apresentará dados de fitotoxidade de diferentes herbicidas em mais de 30 cultivares de soja.

Via | Assessoria
(Visited 1 times, 1 visits today)

Deixe uma resposta