Um dos estelionatários alvos da operação “Et Caterva”, realizada pela Polícia Federal na manhã desta quarta-feira (31) em Mato Grosso e outros 11 estados, está internado com Covid-19 em um hospital em Goiânia. A operação investiga uma organização criminosa especializada em aplicar fraudes no auxílio emergencial e em precatórios judiciais.

De acordo com a delegada da Polícia Federal, Karoline Araújo Diniz, a quadrilha agia desde 2017 sacando precatórios. Em 2020 a Caixa Econômica Federal suspendeu os pagamentos e a quadrilha ‘migrou’ para a fraude no auxílio emergencial.

Um dos principais alvos está em tratamento contra Covid em Goiânia. A mulher dele, que também é investigada, está internada em uma Unidade de Terapia Intensiva (UTI), mas não se trata de Covid-19.

O homem investigado estava com R$ 5 mil em dinheiro escondido no leito da enfermaria onde ele está internado.

São mais de 80 pessoas investigadas no país.

Servidores do TRE

Um servidor do Tribunal Regional Eleitoral do Mato Grosso (TRE-MT) foi alvo da operação.

Ailton Lopes dos Santos Júnior, é servidor efetivo da Justiça Eleitoral de Mato Grosso, e teve mandado de busca e apreensão cumprido e foi afastado do cargo.

Em nota, o TRE disse que deu apoio à PF e lamentou a participação do servidor. (veja a nota na íntegra ao final da matéria).

Outro servidor que era do TRE-MT foi transferido para Fortaleza. As investigações apontam que os servidores faziam lavagem de dinheiro, tinha acesso a informações de pessoas pelo E-Título.

Um deles fazia o acompanhamento pessoal de um dos estelionatários e se passava por parente para conseguir fazer as transações bancárias.

Em Cuiabá um funcionário da Caixa foi preso.

Operação

Os mandados foram expedidos pela 5ª Vara Federal de Cuiabá e devem ser cumpridos em Mato Grosso e em outros 11 estados. Os criminosos teriam desviado R$ 13 milhões em precatórios e R$ 2,7 milhões em tentativas de saques.

Os policiais cumpriram 12 mandados de prisão, 77 mandados de busca e apreensão e sequestro de bens e, ainda, 9 medidas de suspensão do exercício da função pública. Uma mala com grande quantidade em dinheiro foi apreendida. O valor total não foi divulgado.

Mala de dinheiro foi apreendida na operação Et Caterva — Foto: PF/MT
Mala de dinheiro foi apreendida na operação Et Caterva — Foto: PF/MT

A investigação apontou que a organização criminosa cooptava servidores de uma instituição bancária, que forneciam informações sobre precatórios à disposição para saque.

O grupo investigado é composto por um número significativo de pessoas, dentre elas advogados e funcionários públicos.

O esquema criminoso se dava com a confecção de documentos falsos, os quais eram forjados com os dados dos beneficiários dos precatórios e as fotografias dos estelionatários, os quais se dirigiam ao banco para realizar os saques.

Uma vez efetuado o levantamento do precatório, o montante era espalhado em diversas contas, com o intuito de ocultar a origem ilícita.

Após a interrupção temporária do pagamento de precatórios pela Caixa Econômica Federal em 2020, a organização criminosa passou a cometer fraudes em detrimento de parcelas do auxílio emergencial.

Restaram efetuados aproximadamente 1.570 saques de benefícios, entre os meses de abril de 2020 e março de 2021, resultando em um prejuízo superior a R$1,3 milhão.

O nome da Operação, “Et Caterva”, se trata de expressão em latim, utilizada de forma pejorativa, que denota a ideia de um grupo de comparsas, visto que a investigação identificou um grupo de pessoas que se uniram no propósito de cometer os delitos hoje desarticulados.

Nota do TRE-MT

  • Considerando que um dos investigados, Ailton Lopes dos Santos Júnior, é servidor efetivo da Justiça Eleitoral de Mato Grosso, o TRE informa que:
  • Nesta manhã, prestou total apoio à Polícia Federal no cumprimento de mandado nas dependências da Instituição, ocasião em que equipamentos e documentos foram apreendidos.
  • Permanecerá à disposição da Polícia Federal para auxiliá-los com a entrega de novos documentos, informações, esclarecimentos ou qualquer outra medida que seja necessária para a eficácia da investigação e elucidação dos fatos.
  • Que aguardará o desenrolar das investigações para adotar as providências legais e administrativas de sua competência, no entanto, por precaução, irá afastar o servidor investigado do cargo de chefe de seção que atualmente exerce. A medida temporária é necessária para garantir a lisura do processo.
  • O TRE-MT lamenta ter um servidor efetivo investigado por prática ilícita, situação essa nunca vivenciada em toda a sua história. A Instituição sempre defendeu e exigiu que seus servidores tenham conduta compatível, não somente com a moralidade administrativa/funcional, mas também, com a moralidade social em sua vida particular, portanto, fará de tudo para garantir que esses princípios éticos sejam respeitados em nossa sociedade.

Nota da Caixa

A CAIXA informa que apoiou integralmente a Operação ET-CATERVA da Polícia Federal, bem como ratifica que coopera proativamente com as investigações e com as forças policiais.

Ademais, a atual gestão da CAIXA adotou diversas medidas administrativas para mitigar e combater quaisquer possibilidades de fraudes.

Tendo como um dos seus principais compromissos o combate sistemático à prática de eventuais atos ilícitos e corrupção, a CAIXA comunica que procederá imediata instauração de procedimentos administrativos para apuração de responsabilidades.

Via | G1
(Visited 1 times, 1 visits today)

Deixe uma resposta