Elusmar Maggi Scheffer se tornou uma celebridade no mundo esportivo ao doar R$ 1 milhão para o Internacional, nesta sexta-feira. A quantia equivale ao valor da multa que o Colorado precisa pagar ao Flamengo para escalar Rodinei na ‘final’ do Brasileiro, neste domingo, no Maracanã, e o fez entrar entre os assuntos mais comentados das redes sociais. Mas afinal, quem é o colorado?

O sobrenome Maggi Scheffer ajuda a entender de onde vem a quantia milionária. O empresário rural é um dos sócios do ‘Grupo Bom Futuro’ e acionista da ‘Scheffer Agrobusiness’, um dos maiores conglomerados da agropecuária do mundo.

De nome forte em Mato Grosso, a família Maggi foi eleita a sétima mais rica do Brasil em lista da revista Forbes, em 2014 — com fortuna estimada em US$ 4,9 bilhões à época. Ao todo, são cinco parentes, quatro deles bilionários graças a uma das maiores produções de soja do mundo: Lucia Borges Maggi, Blairo Borges Maggi, Marli Maggi Pissollo, Itamar Locks e Hugo de Carvalho Ribeiro.

Maggi também é primo do ex-governador e ex-senador Blairo Maggi, que foi ministro da Agricultura durante o governo de Michel Temer. Entre as principais ações do ‘Grupo Bom Futuro’ ligado ao esporte, está um terreno que foi cedido à Prefeitura de Cuiabá para construção de um autódromo internacional.

Segundo o jornalista Lucas Collar, setorista do Internacional, o mecenas também prometeu um bicho extra grande para o grupo de jogadores e comissão técnica pelo título do Brasileiro.

Em 2019, Elusmar esteve no Beira-Rio para entregar o troféu de melhor da partida ao uruguaio Nico López. Em uma postagem no Twitter, o Internacional agradeceu a doação do produtor rural.

“O Internacional informa que recebeu nesta sexta (19) a doação de R$ 1 milhão de Elusmar Maggi Scheffer. O torcedor colorado, morador de Cuiabá, assinou o termo que repassa o valor ao Clube sem qualquer tipo de contrapartida. Nosso mais sincero agradecimento!”, diz o clube, cujas finanças eram uma preocupação até então para proporcionar a escalação de Rodinei, que pode ser decisiva.

Internautas não perderam tempo em repercutir o assunto com milhares de comentários, alguns inclusive desejando também serem milionários para ajudarem seus próprios times, enquanto outros criticam o uso de tanto dinheiro em tal manobra. Já os torcedores do Internacional celebraram a novidade. Um deles até mesmo lembrou que o agropecuarista Elusmar é “pé quente”.

“A última vez em que Elusmar contribuiu publicamente com o Internacional foi após as oitavas de final da Libertadores de 2019, entregando um prêmio de melhor em campo a Nico López. Ele é pé quente”, disse o perfil @notavel no Twitter.

(Visited 1 times, 1 visits today)

Deixe uma resposta