Um pregão eletrônico realizado pelo município em novembro do ano passado possibilitou a aquisição de 22 veículos novos, modelo “ônibus circular”, e que vão atender às necessidades do projeto de municipalização do transporte coletivo na cidade, os quais estão previsto para chegar a cidade no início do mês de março. A empresa vencedora da licitação foi a empresa Enzo Caminhões Ltda que apresentou o menor preço unitário por veículo.

ECONOMIA

Todavia, é preciso destacar ainda, que a realização desse pregão eletrônico permitiu que o município otimizasse os recursos públicos e obtivesse uma substancial economia na compra dos produtos. Inicialmente o valor total previsto para a aquisição desses veículos era de R$ 27,9 milhões e com o término da licitação via pregão, foi possível reduzir o valor para R$ 22,6 milhões.

Na verdade, a cidade de Rondonópolis vem há mais de cinco anos, enfrentando sérios problemas quanto a insatisfação popular referente a qualidade do atendimento do serviço de transporte coletivo.
Mas não foi por falta de interesse do Poder Público em resolver a situação. Cerca cinco licitações foram realizadas nas duas últimas gestões e todas ficaram “desertas” (nenhuma empresa interessada). Em razão disso, e procurando resolver de vez o problema, a atual administração resolveu municipalizar o serviço, criando uma autarquia para gerir e administrar os serviços, pessoal e a frota de veículos. O objetivo, é oferecer um serviço público diferenciado de qualidade, confiável, seguro, e mais eficiente.

ESTUDOS TÉCNICOS

Para isso, estudos técnicos prévios sobre a necessidade, quantidade de veículos, viabilidade e, legalidade, bem como custos financeiros para a implantação da Autarquia Municipal do Transporte Coletivo que fará a gestão do serviço, estão sendo realizados por técnicos da Universidade Federal de Rondonópolis (UFR), coordenados pelo Professor Dr. Heitor Lopes Ferreira, Coordenador de Planejamento e Convênios da universidade, e responsável pelo Projeto/estudo.

Conforme o Professor Dr., os estudos compreendem três vertentes que se complementam: o financeiro, o de logística e operacionalidade e o jurídico. Segundo ele, estes levantamentos são necessários para se estruturar o caminho a ser seguido, ou o modelo diferenciado de gestão do transporte público que se pretende implantar na cidade, onde seja possível através de uma maior otimização dos recursos e patrimônio, conseguir uma maior eficiência possível, respaldada em uma logística estruturada e uma operacionalidade adequada e eficiente.

Conforme o coordenador, o estudo em si, não pretende impor decisões, mas sobretudo, apresentar sugestões e pareceres técnicos que poderão nortear e subsidiar as tomadas de decisões por parte do Poder Público, no que se refere a um melhor modelo de gestão da autarquia, que por sua vez, deverá oferecer um serviço diferenciado, confiável e seguro, e com um menor custo e maior eficiência possível.

Ainda conforme o professor Heitor, os trabalhos/estudos estão bem adiantados e segundo repassou os mesmos já estariam com mais de 50% concluídos, com a finalização prevista para o final de fevereiro.

Portanto, foi em razão dos primeiros estudos, que se chegou ao número de 50 veículos que a cidade de Rondonópolis necessitaria para atender a demanda local. Então, o pregão eletrônico inicial realizado em novembro de 2020, possibilitou a aquisição desses primeiros 22 veículos.

Todavia, para que fosse possível completar a frota estimada, o município se organizou e conseguiu parecer favorável do Poder Legislativo para obter o crédito necessário, e já estaria inclusive, providenciando um financiamento junto ao Banco do Brasil para a compra dos demais 28 veículos necessários, apontados pelo estudo de viabilidade técnica.

Depois de concluído e implantado, o serviço público municipal de transporte coletivo de Rondonópolis deverá ofertar um serviço de melhor qualidade aos cidadãos, em razão de disponibilizar uma frota de veículos novos, e com ar-condicionado operacionalizados por uma logística moderna e mais eficiente.

Por esta razão, a administração municipal vem envidando estudos técnicos, no sentido de estruturar o funcionamento da autarquia, bem como a gestão de pessoal e da frota, e vai procurar otimizar e ordenar o serviço com pontualidade e presteza no atendimento.

Vale dizer que depois de criada, a autarquia ficará à disposição da Secretaria Municipal de Transporte e Trânsito (Setrat) para atender a demanda do transporte coletivo da cidade.

Via | Assessoria

(Visited 1 times, 1 visits today)

Deixe uma resposta