Já os leitos de UTIs da rede pública de Saúde têm ocupação de 70%; Hospital Júlio Müller está com 240% de ocupação

O secretário estadual de Saúde, Gilberto Figueiredo, alertou que os hospitais privados de Mato Grosso não têm mais leitos de Unidade de Terapia Intensiva (UTIs) disponíveis para quem tem planos de saúde.

A declaração ocorreu quando ele comentava a aglomeração promovida por torcedores do Cuiabá na última quinta-feira (21), quando o Dourado garantiu acesso à Série A do Brasileirão.

Ele alerta ainda que dos infectados, 5% precisarão ficar em leitos de UTI e que o sistema pode colapsar em breve caso a população mantenha esse comportamento. O alerta foi feito durante entrevista à Rádio Vila Real, na manhã desta segunda-feira (25).

“As pessoas precisam acreditar nisso e parar de fazer o que estão fazendo, porque estão apostando que não vão ser atingidas. 5% dos atingidos vão precisar de um leito de UTI, mas acreditam que não. Então, se colapsarmos, não haverá leitos de UTI para atender todo mundo. Na rede privada, inclusive, já não tem leito para quem tem plano de saúde”, disse.

Em Mato Grosso, a lotação das UTIs públicas já está em 70%, segundo o boletim epidemiológico da Secretária Municipal de Saúde (SES) do último domingo. Atualmente, 283 pacientes estão internados em UTIs.

No Hospital Universitário Júlio Müller, por exemplo, a taxa de ocupação dos leitos de UTIs é de 240%. Isto é, aqueles pactuados para o tratamento da covid e leitos para outras doenças, que começaram a ser usados para a covid.

Via | RMT com SES-MT

(Visited 1 times, 1 visits today)

Deixe uma resposta