Segundo o Corpo de Bombeiros, inicialmente a chuva que caiu em Poconé, a 104 km de Cuiabá, diminuiu a velocidade de propagação das chamas e amenizou as frentes de incêndio no Pantanal.

A chuva que caiu na madrugada deste domingo (20) na região do Pantanal de Mato Grosso, embora considerada fraca, amenizou os focos de calor na região.

Segundo o Corpo de Bombeiros, inicialmente a chuva que caiu em Poconé, a 104 km de Cuiabá, diminuiu a velocidade de propagação das chamas e amenizou as frentes de incêndio no Pantanal.

No entanto, conforme a corporação, para que haja uma avaliação mais completa é necessário considerar todo o cenário, e não somente a chuva deste domingo, o que deve ocorrer em 72 horas.

Ajuda do governo

O governo estadual afirmou que vai manter as equipes de enfrentamento aos incêndios florestais em todo o estado, mesmo com as chuvas esporádicas que caíram neste domingo.

A partir desta segunda-feira (21), um total de oito aeronaves vão ser utilizadas no combate aos incêndios florestais, principalmente no Pantanal de Mato Grosso.

Mais duas aeronaves serão contratadas – e vão se unir às outras seis já utilizadas – para reforçar a estrutura contra o fogo em todo Estado.

Um dos aviões terá capacidade de armazenagem de água de 3 mil litros e outro de 2 mil litros e os dois já devem entrar em operação na segunda-feira (21). Uma terceira aeronave será contratada para uso na semana seguinte.

Segundo o governo estadual, já foram investidos R$ 22 milhões em recursos para o enfrentamento ao fogo.

Mais R$ 10,1 milhões foram destinados pelo governo federal para reforçar as ações de combate aos incêndios e poderão ser utilizados pelo Estado na próxima semana.

Foram aplicados R$ 189 milhões em multas por uso irregular do fogo e R$ 1 bilhão, por desmatamento ilegal.

Mais de 2,5 mil profissionais estão envolvidos, incluindo bombeiros militares, voluntários, integrantes da Defesa Civil, da Marinha e do Exército.

Peritos estaduais constataram que os incêndios no Pantanal foram causados por ação humana e inquéritos foram abertos pela Delegacia de Meio Ambiente (Dema) para penalização dos responsáveis.

Incêndio no Pantanal

As queimadas que já destroem o Pantanal mato-grossense – considerada a maior planície inundável do mundo – há quase dois meses causaram os maiores danos da história. Esse é o maior incêndio registrado na região pelo Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe) desde que o monitoramento começou a ser feito, em 1998.

Sebastião Baldi Silva Junior, de 40 anos, tenta apagar um incêndio em uma fazenda no Pantanal, a maior área úmida do mundo, em Poconé (MT) — Foto: Amanda Perobelli/Reuters

Segundo o Inpe, neste ano, foram identificados 15.756 focos de calor no Pantanal. Antes disso, o maior número tinha sido registrado em 2005, 12.536 focos.

O incêndio começou no dia 21 de julho e já são quase dois meses em chamas.

O fogo teve início na região de Poconé e já são mais de 1.740.000 hectares queimados em Mato Grosso até o dia 13 de setembro. O Pantanal já registrou o maior número de focos de incêndio, desde então. Foram 5.603 focos até o dia 16 de setembro.

Brigadistas, bombeiros e oficiais da Marinha ajudam no combate ao incêndio.

Apenas nos primeiros 16 dias deste mês, foram detectados 5.603 focos de calor contra 5.498 registrados no mês inteiro de setembro em 2007 – o recorde para o mês até este ano.

Previsão do tempo

Conforme dados do Instituto de Pesquisas Espaciais (Inpe), a previsão é de pancadas de chuva durante a tarde desta segunda-feira (21) em Poconé, região do Pantanal, embora a temperatura continue alta, variando entre 24ºC e 37ºC.

Entre terça e sexta-feira, a previsão é de dias nublados. Já no sábado (26), deve chover forte na região.

Em Barão de Melgaço, também região do Pantanal de MT, o clima permanece nublado durante toda a semana, mas não há previsão de chuva.

Fonte | G1

Powered by Rock Convert
(Visited 1 times, 1 visits today)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *