ESET utiliza app como exemplo em uma análise sobre quais seriam os benefícios ao excluir a conta de um serviço que não é utilizado em vez de apenas desinstalar o app
Com as medidas de isolamento social, as videochamadas viraram um sucesso, deixando serviços como os do Houseparty ou Zoom entre os mais baixados. Para entender o boom disso no início da pandemia, pesquisadores da ESET, empresa líder em detecção proativa de ameaças, analisaram o Houseparty.

Foi verificado que entre março e abril de 2020, o Houseparty teve 50 milhões de registros, enquanto em fevereiro de 2020 o aplicativo havia sido baixado 533 mil vezes. Foi um sucesso junto às gerações mais jovens, que o utilizaram para manter contato com seus amigos, colocando-o entre os 10 melhores aplicativos durante a primeira parte do confinamento.

Gráfico mostra o crescimento na quantidade de downloads diários do app até final de abril
Depois de alguns meses, durante a pandemia do novo coronavírus (Covid-19), em que muitos países relaxaram medidas e alguns até retomaram algumas de suas atividades, é provável que as “salas” do Houseparty não tenham o mesmo atendimento de antes.

“Como muitas pessoas que têm vários aplicativos em seus telefones que não usam, suponho que muitos pararam de abrir o app em vez de excluí-lo, e provavelmente menos ainda decidiram excluir suas contas. Mas é importante diferenciar entre excluir uma conta em vez de apenas excluir o aplicativo”, destaca Camilo Gutiérrez Amaya, chefe do Laboratório de Pesquisa da ESET América Latina.

Assim como o Houseparty, muitos outros aplicativos coletam detalhes básicos como nome, endereço de e-mail, data de nascimento, número de telefone, endereço, nome de usuário e senha ao criar uma conta. Eles ainda podem coletar informações de localização do seu endereço IP, e alguns também podem compartilhar todas essas informações com terceiros.

Embora se presuma que, ao excluir uma conta de uma rede social ou qualquer outro serviço online, a operadora do serviço apagará todas as informações pessoais de seus sistemas, o especialista da ESET Jake Moore identificou que nem todos os aplicativos têm seguido as “regras” para excluir informações, mesmo quando dizem que fazem.

O que ocorre é que, quando você exclui sua conta do Houseparty, está restringindo o uso de seus dados e retirando o consentimento para ser rastreado. Caso a conta não seja excluída, os dados estarão disponíveis aos desenvolvedores e, se a empresa sofrer uma violação de dados, eles podem facilmente acabar na dark web, por exemplo.

“Vale a pena verificar seu telefone, abrir aplicativos inativos uma última vez e excluir a conta em vez de apenas excluir o aplicativo e esquecer a conta. As informações que continuam a ser armazenadas podem parecer sem valor para ninguém, mas podem ser usadas de forma maliciosa quando combinadas com outras informações sobre usuários e podem ter efeitos prejudiciais se usadas em conjunto com roubo de identidade ou fraude bancária”, salienta o especialista de ESET.

Para te ajudar a ficar em casa

A ESET aderiu à campanha #FiqueEmCasa, oferecendo proteção para dispositivos e conteúdos que ajudam os usuários a aproveitar os dias em casa e garantir a segurança dos pequenos enquanto se divertem online em meio à pandemia.

No site, os usuários podem ter acesso a: ESET INTERNET SECURITY grátis por 3 meses para proteger todos os dispositivos domésticos, Guia de Teletrabalho, com práticas para trabalhar em casa sem riscos, Academia ESET, para acessar cursos online que auxiliam a tirar mais proveito da tecnologia e o DigiPais, para ler conselhos sobre como acompanhar e proteger crianças na web.

Para saber mais sobre segurança da informação, entre no portal de notícias da ESET: http://www.welivesecurity.com/br/
Fonte | Assessoria ESET
(Visited 1 times, 1 visits today)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *