Cursos terão autonomia para decidir sobre a flexibilização.

A Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT) anunciou que vai retomar as aulas a partir de agosto, mas na modalidade à distância. Segundo a universidade, para os alunos que não têm acesso à internet e ao computador em casa, será oferecido um trabalho de suporte.

O estudante de filosofia Bruno Amorim se mudou do Rio de Janeiro para Mato Grosso para estudar. Segundo ele, com as aulas suspensas, está difícil se manter no estado.

“A manutenção do estudante é quase que absurda e pra me manter eu sou entregador de aplicativo. Sou um estudante que não tem acesso à internet em casa e até agora não recebi nenhum e-mail da universidade me perguntando isso, se eu tenho ou não. Eles aprovam um calendário, a possibilidade de um ensino à distância, mas não sabe quantos estudantes tem internet e computador em casa”, relatou.

A pró-reitora de assistência estudantil da UFMT, Erivã Velasco, explicou que a universidade está se organizando para dar suporte aos alunos sem acesso à internet. Ela afirmou que há dois editais abertos para atender essa demanda.

“Um edital é voltado para o acesso à internet, portanto, um recurso, um valor ao estudante que não teria condições de contratar o seu pacote e um outro edital diz respeito a um apoio financeiro para a aquisição do equipamento. Nessa primeira edição do edital, nossa intenção é fazer essa oferta para pelo menos três mil estudantes”, disse.

A orientação é para que os alunos fiquem atentos. Nessa semana, segundo a universidade, será possível ter acesso aos editais e se inscrever.

“Já temos no âmbito da assistência estudantil um conjunto de estudantes que tem sua vulnerabilidade comprovada, ou seja, são estudantes já auxiliados pela assistência estudantil, seja pela PRAE, em Cuiabá, seja pela supervisão da assistência estudantil nos campi. Então esse estudante é um público que pode solicitar. Quais são os outros? Nós já temos também um processo de ingresso na universidade que consideram a vulnerabilidade socioeconômica a partir de cotas, então nós temos pelo menos quatro modalidades de ingresso que se considera a questão da renda familiar”, explicou.

Além disso, o Ministério da Educação (MEC) anunciou nesse mês, que vai oferecer para os alunos de institutos e universidades federais que estão em vulnerabilidade social, internet de graça. A secretária de TI da UFMT, Eunice Nunes, explica sobre a parceria entra o MEC E A Rede Nacional de Ensino e Pesquisa (RNP).

“No momento em que o MEC implantar e disponibilizar de fato, com a parceria da RNP, o pacote de dados que está sendo contratado pela RNP, aí então a UFMT vai suspender a bolsa auxílio do edital interno que ela fez e vai viabilizar um novo edital pra selecionar os estudantes pra esse pacote de dados que vai vir a essa parceria MEC – RNP”, explicou.

Bruno Amorim disse que os editais demoram quase seis meses para sair o resultado e que se for assim, só terá internet e computador no final do semestre. A pró-reitora finaliza orientando os alunos para que fiquem atentos às decisões dos cursos.

“Acho que vai ser importante que os estudantes acompanhem os processos de decisões e discussões dos seus cursos porque é no âmbito dos colegiados de cursos que as decisões vão ser tomadas e a concessão dos apoios financeiros da assistência estudantil, necessariamente está vinculada a matrícula do aluno, no componente curricular flexibilizado”, ressaltou.

Fonte | G1

Powered by Rock Convert
(Visited 1 times, 1 visits today)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *