Diante da ocupação de leitos destinados aos casos da Covid-19 estar muito baixa, o governo de Mato Grosso decidiu que, se o cenário persistir, as aulas em todos os estabelecimentos de ensino serão retomadas a partir do dia 4 de maio.

O anúncio foi feito pelo governador Mauro Mendes (DEM), que assinou nesta quarta-feira, 22, decreto em que flexibiliza diversas atividades nas cidades do estado, inclusive permitindo a reabertura de parques e de templos religiosos.

Conforme anunciou, a taxa de ocupação de leitos públicos para atendimento a pacientes com Covid-19 é de 2,88% em UTIs (Unidades de Terapia Intensiva) e de 0,25% em leitos clínicos, o que justifica as medidas de reabertura tomadas.

O estado tem 205 casos confirmados do novo coronavírus, com 6 mortes. Mato Grosso é um dos poucos estados que não tinham definido por decreto o fechamento do comércio, deixando para que as prefeituras tomassem as medidas que considerassem adequadas.

Além da reabertura prevista para as escolas da educação infantil, ensinos fundamental, médio e superior, público e privado, o decreto prevê liberação de atividades religiosas -com distanciamento de 1,5 m entre as pessoas e disponibilização de produtos para higienizar mãos e calçados.

Também permitiu o funcionamento de parques públicos do estado, com a mesma distância mínima entre os frequentadores. Nos parques e nas igrejas, o acesso só será permitido com o uso de máscaras.

A decisão de reabrir as escolas só não será efetivada se, até o dia 30, o índice de ocupação dos leitos públicos exclusivos para Covid-19 chegar a 60% nos hospitais.

“Até o dia 30 vamos observar. Na prática, o que está acontecendo em Mato Grosso é que o crescimento dos casos confirmados está em níveis menores do que em outros países, por isso estamos com baixa taxa de ocupação. Se até lá estivermos abaixo de 60% dos leitos de UTI exclusivos para Covid-19 estaremos dia 4 retomando [as aulas]”, afirmou o governador.

De acordo com ele, ultrapassar a data causará um risco de comprometer o ano letivo e há muitas cidades de Mato Grosso que não têm nenhum caso suspeito da doença. “Não tem razoabilidade manter tudo parado”, disse ele, que afirmou ainda que as medidas estão alinhadas com diretrizes estabelecidas pelo Ministério da Saúde.

Conforme Mendes, de 507 vagas de internação no sistema público de saúde, havia somente 4 ocupadas nesta quarta.

Ainda durante o anúncio, o governador afirmou que o intervalo de tempo até o dia 4 de maio é importante para que as escolas se programem para a reabertura.

Questionado sobre o risco de a volta das atividades permitir o crescimento no total de casos, Mendes afirmou que não tem “capacidade de prever o que poderá acontecer”. “Temos de trabalhar dentro de uma lógica. E a lógica é que não dá para ficar parado, estamos com baixo nível de contaminação […] Nesse nível de contaminação podemos ficar meses. Dá para ficar três, quatro, cinco, seis meses assim, sem trabalhar? Não é razoável, não é lógico”, disse.

Mendes disse ainda que recomendou aos prefeitos de Mato Grosso que não façam restrições de atividades econômicas. “Quem vai ter de se explicar perante sua população são os senhores prefeitos municipais”, disse.

Fonte | Redação com Folha

(Visited 1 times, 1 visits today)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *