Mãe e filha vivem amedrontadas após soltura de Wanderson Geovani de Amorim Arruda, 23 anos. A mulher I.B.S., de 39 anos, de Cuiabá, foi esfaqueada na cabeça, depois de ser arrastada pela rua, chutada e quase ser estrangulada pelo seu ex-marido. O casal convivia há pelo menos 10 anos.

A filha da vítima C.G.A.A., de 21 anos, que está gravida, também foi agredida pelo homem, quando tentava impedir que agressor continuasse a chutar a mãe que estava desmaiada. A mãe sofreu um corte profundo de faca na cabeça e a filha teve cortes no braço direito.

O processo foi enviado para a 2ª Vara Especializada de Violência Doméstica e Familiar da Comarca de Cuiabá

Wanderson Geovani passou pela audiência de custódia nesta terça-feira (26), e foi liberado pelo juiz da 7ª Vara Criminal de Cuiabá, Jorge Luiz Tadeu.

De acordo com o boletim de ocorrência, o casal havia terminado recentemente, porém Wanderson invadiu a casa da companheira, por volta das 21h50min, do último domingo (24), e por motivos de ciúmes passou a agredir a mulher, puxando-a pelos cabelos e, a levando até a rua, onde desmaiou a mulher no chute.

A mulher disse que só não foi morta porque os vizinhos escutaram os gritos e acionaram a polícia.

Wanderson que já possui passagens por agressões negou a versão contada pela companheira. Segundo o acusado, a enteada quer “ferrar” ele.

As vítimas pediram medidas protetivas.

Outro caso.

Dois idosos em Cuiabá também recorreram as medidas protetivas, após serem agredidos e ameaçados pelo próprio filho usuário de drogas.

Josemar Júnior da Silva, 32 anos, possui extensa ficha criminal, inclusive é acusado de matar o próprio irmão, Marcelo da Silva, [em abril de 2011].

De acordo com o boletim de ocorrência, Josemar mora em uma casa nos fundos da residência do casal e, na noite de domingo (24), chegou a casa sob efeito de droga. Querendo dinheiro, o filho acordou o pai com golpes de panela. A vítima J.M.S., 66 anos, sofreu lesões nos braços e cabeça e precisou ser encaminhado ao Pronto Socorro de Cuiabá.

A esposa, H.O.S., 68 anos, também foi empurrada pelo filho e ameaçada de morte. A mãe relatou no boletim de ocorrência, que nas últimas três vezes, que o filho chegou alterado, o pai havia dado R$ 100,00 para ‘acalma-lo’.  Na quarta vez, se negaram a fornecer mais dinheiro, foi quando Josemar teve o ataque de fúria.

Ao ser preso, Josemar negou que estivesse sob efeito de drogas, alegando que apenas bebeu pinga. Negou ter agredido e ameaçado os pais, mas admitiu ser usuário.

O casal pediu medidas protetivas, pois teme ser morto pelo filho, que já passou a responde por ameaças e lesões corporais.

Fonte | O Bom da Notícia

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *