O presidente Jair Bolsonaro (PSL) saudou, pelo Twitter, os responsáveis pela prisão do italiano Cesare Battisti. No texto, o militar reformado diz que o ex-ativista era 1 “companheiro de ideais” do PT e comemora: “finalmente a justiça será feita ao assassino italiano”.

Em outra postagem, o presidente respondeu, em italiano, ao ministro do Interior da Itália, Matteo Salvini, que publicou imagens de Battisti preso. “Parabéns e conte sempre com a gente, ministro Salvini!”, declarou.

Ringrazio per il grande lavoro le Forze dell’Ordine italiane e straniere, la @poliziadistato, l’Interpol, l’AISE e tutti coloro che hanno lavorato per la cattura di #CesareBattisti, un delinquente che non merita una comoda vita in spiaggia, ma di finire i suoi giorni in galera.

Battisti foi preso neste sábado (12.jan.2019) em Santa Cruz de La Sierra, na Bolívia. Ele era considerado foragido desde 14 de dezembro de 2018, quando o então presidente Michel Temer decretou sua extradição.

Um dia antes do decreto, o ministro do STF (Supremo Tribunal Federal) Luiz Fux determinou a prisão do italiano.

Ainda não foi informado se Battisti irá diretamente para a Itália, ou virá ao Brasil para ser extraditado. Em nota conjunta do Ministério das Relações Exteriores e do Ministério da Justiça e Segurança Pública, ambos afirmaram estar “tomando todas as providências necessárias, em cooperação com o Governo da Bolívia e com o Governo da Itália, para cumprir a extradição de Battisti e entregá-lo às autoridades italianas”.

QUEM É CESARE BATTISTI

O italiano foi condenado à prisão perpétua na Itália por terrorismo e 4 assassinatos cometidos na década de 1970, quando era ativista do Partido Proletariado Comunista. Viveu como fugitivo por 30 anos, antes de chegar em 2004 ao Brasil.

Durante o governo de Luiz Inácio Lula da Silva (2003-2010), o Brasil concedeu asilo a Battisti. Em 2010, a Itália pediu a extradição, aceita pelo STF, mas negada pelo então presidente da República.

Em 2017, a Itália pediu ao presidente Michel Temer a revisão da decisão. O emedebista abriu 1 processo administrativo sobre o caso.

A defesa do ex-ativista entrou, em setembro de 2017, com 1 pedido de habeas corpus preventivo no Supremo para evitar a extradição. Argumenta que, pelo princípio da segurança jurídica, a decisão de Lula é “insindicável”.

Fonte | Poder 360

(Visited 1 times, 1 visits today)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *