O candidato à Presidência pelo MDB, Henrique Meirelles, disse nesta 5ª feira (13.set.2018) ser contra o ensino religioso e discussões de identidade de gênero feitas “através de proselitismo” nas escolas públicas. O ex-ministro da Fazenda criticou também o que chamou de “propaganda política” em sala de aula.

“A escola pública é laica e, portanto, não deve ter ensino religioso. Mas vou além, não deve ter proselitismo político também. Uma das coisas da educação brasileira que é complicada é esse problema de propaganda política. Professor que é ideológico”, disse em sabatina promovida pelo UOLFolha de S. Paulo e SBT.

Meirelles disse ser totalmente favorável à liberdade de fé e defendeu que o ensino religioso pode ser feito dentro de uma escola privada.

Questionado sobre a presença de discussões de gênero em ambiente escolar disse que elas não podem ser feitas apenas por meio de “1 esclarecimento neutro”.

“Sou favorável à liberdade de gênero. As pessoas são livres, vivemos em uma democracia e cada 1 deve assumir a responsabilidade sobre as suas opções. Agora, temos que deixar 1 ponto bem claro: a responsabilidade da escola, o direito do estudante é aprender.”

‘ALCKMIN NÃO É COMPETITIVO’

Ao ser perguntado sobre o desempenho dos candidatos do centro nas eleições presidenciais, o emedebista criticou o candidato do PSDB, Geraldo Alckmin. Disse que o tucano “está estagnado nas pesquisa e já mostrou que não é competitivo”.

“As chances de ele chegar ao 2º turno são baixíssimas ou nenhuma. Enquanto a minha candidatura está crescendo”, afirmou. “O verdadeiro candidato do centro para ganhar as eleições sou eu”, completou.

MDB, TEMER E CORRUPÇÃO

Meirelles minimizou os casos de corrupção envolvendo o seu partido. Sobre os casos de políticos do MDB presos e investigados, disse que é “a democracia funcionando no Estado de Direito”.

“Dirigentes dos principais partidos brasileiros têm investigações e acusações. Isso não é coisa de 1 partido”, disse. “Acho que a investigação deve ser feita em todas as direções. Ninguém deve estar isento.”

Meirelles voltou a negar que esteja escondendo a imagem de Michel Temer –que tem uma rejeição recorde– em sua campanha. Perguntado, entretanto, se, caso seja eleito, convidaria o ex-presidente para compor o seu governo, se esquivou. “Isso aí vamos analisar no momento adequado.”

Fonte | Poder 360

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *