Leonardo Albuquerque é acusado de interceder junto a Seduc por diretores de escola investigados

O juiz da 1ª Vara Federal de Cáceres, Rodrigo Bahia Aciolly Lins, determinou a suspensão das investigações da operação “Merenda Segura”, deflagrada em abril deste ano pela Polícia Federal. O motivo da suspensão é a possível atuação do deputado estadual Leonardo Albuquerque (Solidariedade) para atrapalhar as investigações.

A decisão ainda determina o envio dos dados coletados ao Tribunal Regional Federal (TRF) da 1ª Região.

A operação tem como base um suposto desvio e irregularidades na merenda destinada aos alunos Escola Estadual Senador Mário Motta e Escola Estadual São Luiz, em Cáceres (220 km de Cuiabá). Ela surgiu após denúncias de funcionários e professores das instituições.

No dia da operação, foram cumpridos 10 mandados de busca e apreensão.

Com base nos documentos apreendidos, a Polícia Federal deu sequência nas investigações. Foram realizadas novas diligências e interceptações telefônicas nos principais alvos com autorização judicial.

Foram as interceptações que detectaram a possível participação do deputado estadual Leonardo Albuquerque – Dr. Leonardo – para atrapalhar as investigações.

O relatório aponta que o assessor pedagógico Cícero Elivaldo Gonçalves, investigado na operação, confidenciou que o deputado estadual estava interferindo em defesa do diretor de uma escola estadual em Cáceres para não ser responsabilizado em procedimento a ser aberto na Secretaria de Educação. “Cícero relata que passou 05 meses tentando promover a responsabilização de Sebastião Ferraz de Almeida, diretor da Escola Senador Mario Motta, mas que Marrafon (ex-secretário de Educação), indeferiu a instauração do processo. Segundo Cícero, o motivo seria a interferência de Leonardo, que não permitia a instauração do procedimento, intercedendo a todo momento”, diz trecho da decisão.

Além de interceder por Sebastião, o investigado Cícero coloca que o parlamentar estadual também estava intercedendo por outro investigado, o direto de escola Jardes Félix de Macedo. “Não fez nada contra o Jardes, porque o Jardes tem um tal de Leonardo, um deputado aí, que protege ele”, diz diálogo de interceptação em Cícero Gonçalves.

Na decisão, o magistrado destacou que não existem indícios de que o parlamentar estadual possui participação com as fraudes relacionadas ao desvio da merenda escolar. Inclusive, citou m diálogo entre Leonardo Albuquerque e o próprio Cícero Gonçalves, onde o deputado não insinua cometer qualquer tipo de irregularidade.

“De fato, conforme acima relatado, é mencionado nos diálogos interceptados uma suposta atuação do deputado estadual Leonardo a fim de que irregularidades e diretores não fossem investigados. No entanto, essa suposta interferência não encontra ressonância nas demais informações coligidas aos autos do presente caderno informativo”, assinala o magistrado.

Porém, como houve a citação do parlamentar, que possui foro por prerrogativa de função, o magistrado considerou “prudente” o envio das investigações ao Tribunal Regional Federal, órgão competente para julgar parlamentares estaduais. Caso entenda necessário, caberá ao desembargador federal responsável pelo caso determinar o desmembramento dos feitos.

“Determino ainda a imediata paralisação das investigações por parte da autoridade policial, a quem a presente decisão deverá ser imediatamente comunicada. A autoridade policial deverá apresentar, ainda, nos autos o termo circunstanciado final relativo às interceptações telefônicas, acompanhado de mídia contendo a íntegra dos áudios interceptados”, finaliza.

OUTRO LADO

Por meio de nota, o deputado estadual Leonardo Albuquerque negou qualquer tipo de interferência nas investigações. Ele ainda atribui o surgimento do seu nome em virtude da disputa eleitoral.

“Essa é mais uma manobra para tenar manchar o meu nome e o de outro importante candidato da nossa coligação. Uma Operação que aconteceu há mais de um ano, sem nenhuma menção a minha pessoa, volta a tona agora e, apesar do próprio juiz afirmar não ter encontrar sinais de minha participação, tentar me ligar a crimes de outros. Minha marca é combater a corrupção e o desperdício do dinheiro público. Nunca vou compactuar com os crimes investigados pela Polícia Federal”, afirma Dr Leonardo.

Íntegra da nota:

O Deputado Estadual Dr Leonardo esclarece que nunca interferiu nas investigações da Operação Merenda Segura e jamais tratou de qualquer assunto não republicado com Sebastião Ferraz de Almeida ou com o ex-secretário de Estado de Educação Marco Marrafon. Destaca ainda que o próprio juiz federal Rodrigo Bahia Aciolly Lins cita não existir indícios da participação do Deputado Estadual Dr Leonardo.

“Essa é mais uma manobra para tenar manchar o meu nome e o de outro importante candidato da nossa coligação. Uma Operação que aconteceu há mais de um ano, sem nenhuma menção a minha pessoa, volta a tona agora e, apesar do próprio juiz afirmar não ter encontrar sinais de minha participação, tentar me ligar a crimes de outros. Minha marca é combater a corrupção e o desperdício do dinheiro público. Nunca vou compactuar com os crimes investigados pela Polícia Federal”, afirma Dr Leonardo.

Dr Leonardo defende ainda uma investigação rigorosa e que todos os fatos sejam trazidos a luz da verdade, com a punição dos culpados e os devidos esclarecimentos de inocência de quem foi citado injustamente.

Fonte | Folhamax

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *