A Justiça decretou nesta manhã a prisão temporária do ex-marido de Karina Garofalo, de 44 anos, morta a tiro na frente do filho, de 13, na Barra da Tijuca, Zona Oeste do Rio, nesta quarta-feira. De acordo com a Delegacia de Homicídios (DH) da Capital, Pedro Paulo Barros Pereira é suspeito de envolvimento no crime. A polícia já sabe que Karina e a corretora de imóveis brigavam na Justiça por uma herança de mais de R$ 3 milhões.

Pedro Paulo está sendo procurado pela polícia
Pedro Paulo está sendo procurado pela polícia Foto: Reprodução

A especializada também já identificou o homem que atirou em Karina: é Paulo Maurício Barros Pereira, primo do ex-marido dela, contra quem também há um mandado de prisão. Equipes da DH estão nas ruas à procura dos suspeitos.

De acordo com o delegado André Barbosa, o filho do casal reconheceu o primo do pai e gritou no depoimento: “Papai mandou matar mamãe”. Segundo o policial, o depoimento do menino foi “assustador”. Ele deu detalhes da ação e reconheceu imediatamente Paulo Maurício ao ser confrontado com a foto em que o suspeito aparece dentro do carro usado no crime, conta:

— O menino joga muito vídeo game e soube descrever com detalhes a arma do crime. Ele sabia inclusive que se tratava de um silenciador que estava acoplado na pistola.

Paulo Maurício seguida a vítima e foi flagrado por uma câmera de segurança de um shopping
Paulo Maurício seguia a vítima e foi flagrado por uma câmera de segurança de um shopping Foto: Reprodução

Imagens de uma câmera de segurança de um shopping perto do local do crime mostram que Karina já era seguida por Paulo Maurício. A mesma câmera flagrou, também, um homem de moto que a DH ainda tenta identificar.

O suspeito que a DH ainda tenta identificar
O suspeito que a DH ainda tenta identificar Foto: Reprodução

A arma usada para matar Karina e o silenciador foram encontrados na manhã desta quinta-feira, em um canteiro perto do local onde ocorreu o crime. No mesmo saco plástico foi encontrada também outra pistola. As duas armas estavam carregadas e não tinham as numerações raspadas. Segundos os investigadores, eles estão fazendo consultas para tentar identificar o proprietário dos armamentos. O veículo usado na fuga também foi apreendido e periciado.

A arma usada no crime
A arma usada no crime Foto: Ricardo Rigel / Agêncio O Globo

Para a polícia, a felicidade de Karina, que há quatro meses estava morando com um novo companheiro, pode ter irritado Pedro, que não aceitava o fim do casamento.

— Ela estava morando junto com o novo companheiro há cerca de 4 meses, e a felicidade da mulher pode ter provocado ira no ex-marido. O crime guarda todos os qualificadores de um feminicídio. E as investigações apontam pelo menos para um homicídio triplamente qualificado. Por ser mulher, motivo torpe e sem possibilidade de defesa — disse o delegado.

Durante depoimento à polícia, o atual companheiro de Karina, que é empresário no setor de produtos de limpeza, disse aos investigadores que Pedro e Karina estavam se desentendendo muito nos últimos meses.

— Eram discussões ríspidas. Mas nunca chegaram a fazer nenhum registro policial sobre essas brigas — disse André Barbosa.

De acordo com André Barbosa, Karina sempre andava de carro blindado e os suspeitos sabiam o momento exato em que ela estaria desprotegida. Além do filho mais novo da corretora, que identificou o assassino, a polícia já ouviu também o depoimenda filha mais velha dela e de Pedro Paulo. A jovem, de 19 anos, confirmou que a motocicleta que aparece nas imagens é do pai. O irmão dela afirmou a mesma coisa e disse que conhece o veículo por já ter andado nele com Pedro.

Crime foi gravado

Imagens de câmeras de segurança mostram o momento em que Karina foi abordada pelo assassino. O registro, que está viralizando nas redes sociais, mostra quando um homem atravessa a Avenida Malibu, em frente ao condomínio Sunprime, aborda a vítima e dispara em seguida.

Após o crime, ele foge e a mulher continua caída na calçada em frente o condomínio. Nenhum pertence dela foi levado pelo homem, que, segundo a polícia, fez a abordagem encapuzado. A vítima usava uma blusa branca e uma calça preta. A família ainda aguarda a liberação do corpo. Ela deve ser enterrada no cemitério de Volta Redonda.

Um levantamento feito pela reportagem no site do Tribunal de Justiça (TJ) revela que Karina é mencionda em pelo menos quatro porcessos que tramitam na Justiça estadual. Um deles é uma ação de dissolução de casamento, datada de 2014, que está no Fórum de Volta Redonda, no Sul Fluminense.

Em um outro, que tramita na 5ª Vara Civel, e é datado de 2015, ela está envolvida na disputa de um imóvel, em Volta Redonda.

Os outros dois processos são de 2016 e 2018, ambos também relacionados a disputas envolvendos imóveis ou aluguéis.

Fonte | Extra

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *