Em conversa com o senador José Aparecido dos Santos (PR), ocorrida no Centro de Custódia de Cuiabá, o ex-governador Silval Barbosa (PMDB) reclama dos deputados estaduais que deram sustentação a sua gestão, entre 2010 e 2014. Segundo ele, praticamente todos que pertenciam a sua base na Assembleia o abandonaram.

O diálogo foi gravado pelo ex-governador e entregue em seu acordo de colaboração premiada. Ele está contido no apenso 6 do inquérito n° 4596 que tramita no Supremo Tribunal Federal (STF).

O diálogo aconteceu no dia 22 de abril deste ano quando Cidinho fez uma visita a Silval no Centro de Custódia de Cuiabá (CCC). Em agosto, veio a tona trecho da gravação onde o republicano afirmava que o ministro da Agricultura, Blairo Maggi, e o governador Pedro Taques (PSDB) estariam articulando para anular a “Operação Ararath” em Brasília.

Em nota na época em a gravação veio a tona, pela delação premiada, Cidinho afirmou ter ido ao presídio em solidariedade a Barbosa, por serem amigos há muitos anos.

Em um dos trechos da conversa, Silval se queixa dos aliados que tinha na Assembleia Legislativa. Segundo ele, os deputados não fizeram esforços para impedir a instauração da CPI das Obras da Copa do Mundo, que detectou desvios milionários na gestão do peemedebista.

Ele chega a questionar se foi tão “canalha” ao ponto de ter sido esquecido. “Não é possível, cara. Ajudei todo mundo”, reclamou o ex-governador.

Cidinho demonstrou compreensão com a mágoa do ex-chefe do executivo. “Mas eu não vou te abandonar não”.

Veja transcrição do diálogo:

Silval Barbosa: Fui abandonado porque, por exemplo, começou a abrir as coisas, o governo tinha compromisso. Se oito deputados, seis deputados, segura a CPI na Assembleia ou que dava para segurar, mas pelo contrário, toda nossa bancada ainda fizeram parte da comissão. Isso potencializou a justiça, tanto o MP. P… tá todo mundo cagando e andando, f… ele duma vez.

Cidinho: Todo mundo se acertou… (incompreensível).

Silval Barbosa: Esqueceram de mim … aí, pô, e eu falava “pelo amor de Deus gente, não é possível, será que fui tão canalha assim?” Não é possível, cara. Ajudei todo mundo.

Cidinho: Mas eu não vou te abandonar não.

 

No final do encontro, o senador tenta acalmar o ex-governador e diz  que em breve ambos estariam rir de tudo tomando um vinho.

Cidinho: Daqui a uns dias nós vamos estar juntos tomando um vinho e….

Silval Barbosa: Isso

Cidinho: Só dando risada do passado (incompreensível).

Silval Barbosa: Manda um abraço pro BLAIRO.

Cidinho: Deus sabe o que está fazendo, você é uma pessoa do bem, sempre…

Silval Barbosa: Manda um abraço (incompreensível) uma hora passa, não tem tempestade que dure para sempre.

Cidinho: É, segura as pontas aí que nós vamos resolver isso aí.

Silval Barbosa: É, né?

 

Fonte | FolhaMax – 21/10/2017

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *